Juan Barreto / AFP
Juan Barreto / AFP

Guerra entre dissidentes das Farc e ELN aterroriza província na Colômbia

Líderes e moradores da comunidade fronteiriça de Arauca dizem que estão vivendo um terror diferente de tudo o que experimentaram desde o acordo de paz de 2016 com as Farc

Samantha Schmidt e Diana Durán, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2022 | 15h00

BOGOTÁ - Os combates entre grupos guerrilheiros rivais ao longo da fronteira da Colômbia com a Venezuela marcaram o início de um novo ano sangrento, deixando dezenas de mortos e fazendo com que moradores fugissem de uma das piores escaladas de violência desde os históricos acordos de paz do país, há cinco anos.

Pelo menos 23 pessoas foram mortas em confrontos entre grupos armados de esquerda no departamento de Arauca, no nordeste do país, durante o primeiro fim de semana de janeiro. No fim do mês, um carro-bomba explodiu em frente a um prédio onde mais de 40 líderes sociais estavam reunidos em uma oficina de autoproteção, ferindo dezenas e matando um segurança.

Na semana passada, o líder comunitário de Arauca, Álvaro Peña Barragán, foi morto a tiros na casa de seu irmão. Ele foi o 12º líder social morto na Colômbia este ano. No dia seguinte, enquanto sua viúva estava de luto na casa de sua sogra, homens armados atiraram nela e a mataram também.

“Eles declararam guerra ao movimento social”, disse Eliécer Calderón, presidente de um conselho de ação comunitária na zona rural de Arauca que fugiu para Bogotá na semana passada após ser ameaçado em sua casa. “Tivemos que sair com medo de sermos mortos, com medo de desaparecer.”

Líderes e moradores desta comunidade fronteiriça dizem que estão vivendo um terror diferente de tudo o que experimentaram desde o acordo de paz de 2016 com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Combatentes rebeldes que se separaram das Farc por causa dos acordos estão agora travando uma guerra de território com o Exército de Libertação Nacional (ELN), o maior grupo guerrilheiro de esquerda remanescente do país. As Farc e o ELN entraram em trégua em Arauca após uma sangrenta era de combates nos anos 2000. Mas à medida que os combatentes dissidentes das Farc ganham força em Arauca e além, eles agora estão tentando tomar o território tradicionalmente controlado pelo ELN.

A violência ressalta a fragilidade da paz no país sul-americano e o fracasso da resposta de segurança do governo do presidente Iván Duque, disse Juan Pappier, pesquisador sênior sobre as Américas da Human Rights Watch.

“A vida de muitas pessoas depende das alianças entre grupos armados”, disse Pappier. “Quando essas alianças se quebram, suas vidas se tornam miseráveis.”

Pelo menos 66 pessoas foram mortas em janeiro em Arauca, um departamento com uma população de cerca de 260 mil habitantes, e pelo menos 1.200 pessoas foram deslocadas pela violência, segundo a ouvidoria da Colômbia. A última onda de combates ameaça reviver um conflito que matou centenas e deslocou dezenas de milhares em Arauca entre 2006 e 2010.

“Um conflito vem se formando no departamento há muitos anos, mas não no nível do que está acontecendo hoje”, disse Yessid Robles, membro de uma rede de defensores dos direitos humanos em Arauca. “Esperávamos um ataque de combatentes dissidentes, mas não um carro-bomba tentando matar mais de 50 civis”.

Mas o que torna este momento particularmente alarmante, dizem os líderes da sociedade civil, é o ataque a líderes sociais e defensores de direitos humanos. Tanto os dissidentes das Farc quanto o ELN ameaçam e matam líderes locais que acusam, muitas vezes sem provas, de terem ligações com o lado oposto. Dezessete líderes sociais foram mortos até agora este ano na Colômbia, um dos países mais perigosos do mundo para defensores de direitos humanos e ativistas ambientais.

Na terça-feira, homens armados entraram na casa do líder comunitário de Arauca, Hermán Naranjo Quintero, e o sequestraram no dia em que uma Comissão de Paz do Senado visitou o departamento. Seu corpo foi encontrado na quarta-feira.

Em um vídeo compartilhado por jornalistas locais nas redes sociais, a esposa de Naranjo é vista momentos depois que o marido foi retirado de sua casa, chorando ao lado dos filhos.

“Pedimos que você respeite a vida dele”, disse sua esposa. “Não temos nada a ver com esta guerra.”

Os dissidentes da Farc e o ELN também tentaram reivindicar território do outro lado da fronteira, no Estado venezuelano de Apure. O governo venezuelano do presidente Nicolás Maduro lançou uma ofensiva militar contra facções dissidentes das Farc na região de selva ao longo do rio Arauca em abril passado, enviando uma onda de refugiados fugindo para a Colômbia. Defensores dos direitos humanos acusaram as forças de segurança venezuelanas de atacar civis e realizar execuções extrajudiciais em seu esforço para encontrar guerrilheiros dissidentes e, ao mesmo tempo, permitir que o ELN opere livremente na área para lucrar com suas atividades de tráfico de drogas.

Maduro alegou que os grupos guerrilheiros colombianos fazem parte de um esforço do governo Duque para desestabilizar a Venezuela. Autoridades colombianas negaram a alegação.

Os militares colombianos enviaram centenas de soldados para Arauca.

“O ELN, alimentado pelo narcotráfico e sob a proteção da ditadura de Maduro, procurou pressionar o país com ataques terroristas covardes à beira de uma campanha eleitoral para buscar negociações de paz”, disse o ministro da Defesa colombiano, Diego Molano, em um tweet recente. “Que fique claro: NÃO negociamos com terroristas.”

A luta ocorre enquanto a Colômbia se prepara para as eleições presidenciais em maio. O senador esquerdista Gustavo Petro, liderando um campo lotado de candidatos, pediu negociações de paz com os dissidentes das Farc e do ELN. O próprio Petro é um ex-membro de um grupo guerrilheiro conhecido como M-19, que se desmobilizou décadas atrás.

Vários governos tentaram negociar com o ELN, mas todas as tentativas fracassaram. O ex-presidente Juan Manuel Santos organizou negociações em Cuba no final de seu último mandato. Mas em janeiro de 2019, um carro-bomba explodiu em uma academia de polícia em Bogotá, matando 23 pessoas, incluindo o membro do ELN que dirigia o carro, destruindo qualquer esperança de paz com o governo Duque.

Os grupos guerrilheiros de Arauca surgiram na década de 1970, em um momento em que o departamento estava isolado do resto do país, sem estradas e com pouca presença do governo, segundo Luis Eduardo Celis, da Fundação Paz e Reconciliação da Colômbia. O governo central da Colômbia começou a prestar mais atenção à região na década de 1980, após a descoberta de uma reserva de petróleo altamente produtiva chamada Caño Limón. O campo de petróleo, então controlado pela Occidental Petroleum, com sede nos EUA, ajudou a transformar o país de importador de petróleo em exportador. Mas também alimentou o conflito - e se tornou alvo de ataques frequentes do ELN e das Farc.

No final dos anos 2000, o ELN decidiu erradicar a coca da região, planta base para a produção de cocaína, desencadeando um conflito brutal com as Farc. Dezenas de civis foram mortos, recrutados à força ou deslocados de suas casas antes que os grupos assinassem uma trégua em 2010.

Em Saravena, local do atentado com carro-bomba em janeiro, pelo menos cinco médicos do Hospital del Sarare pediram demissão no mês passado por temores sobre a segurança pública. Um auxiliar de enfermagem saiu após receber uma ameaça direta por telefone, segundo Arcenio Gonzalez, funcionário do hospital encarregado de proteger os direitos dos profissionais médicos em meio ao conflito armado.

“O medo é que esse êxodo continue”, disse Gonzalez. “Não conseguiríamos sustentar a demanda.”

Nos últimos dias, panfletos circularam nas mídias sociais alegando ser de grupos dissidentes que ameaçam organizações e empresas locais - incluindo o hospital de Gonzalez. Líderes locais disseram que as ameaças eram falsas. Mas Gonzalez pergunta: E se o próximo for real? Haverá demissão em massa de médicos no momento em que Saravena mais precisa deles?

Gonzalez trabalha no hospital há 21 anos, mas sente mais medo agora do que durante a última onda de violência em Arauca. Ainda assim, ele não tem planos de sair.

"Vamos fazer o nosso trabalho", disse ele. “Todo mundo precisa, aqueles que estão lutando e aqueles que não estão. Nós cuidamos de pessoas doentes. O que estamos pedindo é que eles respeitem esse direito.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.