Guerra na Internet atinge escala menor que a esperada

A guerra no Iraque gerou uma previsível onda de violações politicamente motivadas a páginas na Internet, mas não ocorreu um esforço orquestrado de piratas de computador para bloquear a Web ou prejudicar a infra-estrutura da rede mundial de computadores. Diversos sites foram adulterados com mensagens contra e a favor da ação militar dos Estados Unidos contra o Iraque, mas apenas três recentes vírus de computador, todos com base em vulnerabilidades previamente identificadas, mencionam a ação militar. A companhia de segurança em informática finlandesa F-Secure Corp. reportou que mais de 200 sites foram violados nas 48 horas que antecederam os ataques norte-americanos, na madrugada de quarta-feira, pelo horário iraquiano.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.