AFP PHOTO
AFP PHOTO

Guerra na Síria matou mais de 800 profissionais de saúde

Conflito forçou fuga de metade da equipe médica do país; no leste de Alepo, há apenas um médico para cada 7 mil habitantes

O Estado de S.Paulo

15 de março de 2017 | 10h40

PARIS - Ao menos 814 trabalhadores de saúde morreram desde o início da guerra na Síria, há seis anos, com a intensificação dos ataques contra centros médicos em 2016, principalmente por parte das forças pró-governo, segundo um relatório divulgado nesta quarta-feira, 15.

O governo sírio e seu aliado russo tiveram como alvo as equipes médicas, deixando "centenas de trabalhadores mortos, presos ou torturados", denunciou o estudo publicado na revista britânica The Lancet. "Centenas de centros foram atacados de forma deliberada e sistemática".

"O ano passado foi o mais perigoso para o profissionais da saúde na Síria", destacou um de seus autores, o médico Samer Jabbur, da universidade americana de Beirute.

O número de ataques contra centros de saúde passou de 91 em 2012 para 199 em 2016, dos quais 94% foram realizados pelo "governo sírio e seus aliados, incluindo a Rússia", afirma o relatório.

O documento destaca o caso do hospital Kafr Zita Cave, em Hama, bombardeado 33 vezes desde 2014, e do centro subterrâneo M10 situado na parte leste de Alepo, atacado 19 vezes em três anos, antes de ser completamente destruído em outubro.

"Com o tempo, os ataques se tornaram mais frequentes, mais flagrantes, estendendo-se para áreas mais vastas", assegurou Jabbur.

O estudo foi realizado por especialistas das universidade de Beirute, Grã-Bretanha e EUA, assim como pela Sociedade Médica Americana-Síria e a ONG Multi-Aid Programs.

Um total de 782 trabalhadores de saúde morreram entre março de 2011 e setembro de 2016, dos quais 55% foram vítimas de bombardeios, 23% de tiroteios, 13% de tortura e 8% de execuções.

A guerra também forçou a fuga de metade da equipe médica, ou seja, de mais de 15 mil pessoas entre 2011 e 2015. Na parte leste de Alepo, resta apenas um médico para cada 7 mil habitantes.

Segundo os autores do estudo, a guerra síria "revelou lacunas" na reação das organizações internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), que contabiliza os ataques, mas não cita os responsáveis. / AFP

Veja abaixo: Menina do Twitter quer ser porta-voz das crianças de Alepo

Tudo o que sabemos sobre:
GuerraSíriaAleposaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.