"Guerra no Afeganistão não acaba tão cedo"

Um dos mais importantes senadores democratas dos Estados Unidos pressionou as autoridades do Pentágono nesta quarta-feira para obter detalhes sobre quanto tempo os soldados dos EUA podem permanecer no Afeganistão, queixando-se de que "não há um final à vista para a nossa missão".As observações do senador Robert C. Byrd, que preside o Comitê de Dotação Orçamentária do Senado, estavam entre as mais severas já feitas no Congresso sobre a campanha antiterrorismo, que o Pentágono calcula deverá custar US$ 30 bilhões neste ano.O comitê de Byrd controla a legislação relativa aos gastos e, numa audiência do subcomitê, Byrd aproveitou a oportunidade para questionar o segundo funcionário mais importante do Departamento de Defesa sobre os custos da guerra. "Ao invés de se concentrar em concluir nossas operações no Afeganistão, o Pentágono parece estar de olho nas oportunidades para permanecer mais tempo lá e aumentar nossa presença na região", disse Byrd ao subsecretário de Defesa, Paul Wolfowitz."Parecemos ser hábeis para desenvolver estratégias para entrar no país, mas não para desenvolver estratégias para sair ... Não há um final à vista para a nossa missão no Afeganistão."Wolfowitz disse que o Pentágono não tem uma idéia clara de quanto tempo os soldados dos EUA devem permanecer no Afeganistão ou sobre quanto a operação deverá custar. Isto porque "as coisas mudam e mudam rápido", afirmou Wolfowitz.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.