Guerra no Iraque ameaçaria independência da Al-Jazira

Uma eventual guerra no Iraque poderá ameaçar a independência da rede de TV Al-Jazira, com sede no Catar. A avaliação é de um dos âncoras e chefes de redação do canal, Mohamed Krishane. Em entrevista à Agência Estado, o jornalista afirma que a pressão norte-americana sobre o que poderá ser mostrado pela rede no caso de uma guerra contra Bagdá colocará em jogo a credibilidade da emissora.A Al-Jazira ficou conhecida no mundo no ano passado, quando foi a única a ser autorizada pelo regime do Taleban a mostrar imagens de dentro do Afeganistão durante a guerra. A rede ainda é a única que recebe mensagens do terrorista Osama bin Laden, como ocorreu há poucas semanas por meio de uma fita cassete.Uma das características da TV do Catar é supostamente sua independência relação aos governos dos Estados Unidos e dos países do Oriente Médio. Apesar de financiada em parte pelo governo do Catar, Krishane garante que a TV não deve explicações ao Estado e atua "totalmente livre". "Somos acusados de sermos patrocinados pela CIA, pelo serviço secreto israelense, pelos terroristas árabes", ironiza o âncora, que está em Genebra para uma série de conferências.O jornalista lembra que as pressões não virão apenas dos Estados Unidos. Krishane conta que o governo iraquiano suspendeu a TV por dez dias, há dois meses, em resposta a um programa divulgado sobre o país."Também decidimos impor um embargo ao Iraque e não divulgar notícias sobre o país. Depois de quatro dias de embargo, Bagdá voltou atrás em sua decisão e liberou a emissão da TV", disse.PreparaçãoSegundo Krishane, apesar das pressões que recebem de todos os lados, a TV já está preparada para cobrir uma guerra no Iraque. "Teremos cerca de oito correspondentes em Bagdá, alguns deles iraquianos", afirmou.Ele lembra que no Catar está uma das maiores bases militares dos Estados Unidos e, provavelmente, parte dos aviões que atacarão Bagdá sairão do Catar. "Teremos que noticiar os ataques, que bombas levarão, onde serão largadas, enfim, cobrir uma guerra como de fato ela é. Isso poderá ser um problema", afirma.Para Krishane, os iraquianos já sofrem diariamente uma guerra, diante do embargo que o país está submetido desde 1991. Ele aponta que um dos maiores problemas da mídia no Ocidente é a falta de cobertura sobre o sofrimento de povos árabes, como o palestino e o iraquiano. "Quando as questões sociais são mostradas, elas aparecem como resultado da política de Saddam Hussein contra seu povo, e não como efeito das sanções", afirma.Bin LadenSobre as fitas entregues pelo grupo Al-Qaeda com mensagens de Bin Laden, Krishane garante que são produzidas pelo terrorista e rejeita a idéia de que o saudita seria um "produto" da Al-Jazira. O jornalista conta que, no caso da última fita entregue à rede do Catar, um dos correspondentes que já havia entrevistado Bin Laden há alguns anos recebeu uma ligação para buscá-la em Islamabad. Ao escutá-la, levou para o Catar, certo de que se tratava do terrorista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.