Guerra no Iraque fortalece a Al-Qaeda, diz grupo de estudo

Apesar de baixas em várias regiões do mundo, a Al-Qaeda ainda dispõe de mais de 18.000 terroristas em potencial, e a invasão do Iraque tem ajudado a aumentar seus quadros, adverte um influente grupo de estudos. A Al-Qaeda ainda tem uma liderança ativa, apesar da morte ou captura de elementos-chave, e estimativas sugerem que rede terrorista está operando em mais de 60 nações, afirma o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos em seu Estudo Estratégico 2003/04. O grupo terrorista apresenta uma crescente ameaça a interesses ocidentais e seus ataques provavelmente ganharão intensidade, avalia o instituto. "Deve-se esperar que a Al-Qaeda continue tentando desenvolver planos de operações terroristas na América do Norte e Europa, envolvendo potencialmente armas de destruição em massa", disse numa entrevista coletiva John Chipman, diretor do IIEE. A estimativa de 18.000 combatentes é baseada em dados de inteligência avaliando que a Al-Qaeda treinou pelo menos 20.000 homens no Afeganistão, antes de os Estados Unidos derrubarem o regime Taleban. Na guerra contra o terror em curso, cerca de 2.000 combatentes da Al-Qaeda foram mortos ou capturados, segundo o estudo. O Iraque tornou-se o novo ímã da guerra da Al-Qaeda contra os EUA e cerca de 1.000 combatentes estrangeiros islâmicos se infiltraram em território iraquiano, onde estaria cooperando com grupos locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.