Guerra piora imagem dos EUA no Brasil, diz pesquisa

A avaliação negativa dos Estados Unidos cresce entre a população brasileira após o ataque ao Iraque, revela pesquisa realizada nos dois dias seguintes a eclosão do conflito e divulgada neste domingo pelo Instituto Brasmarket Análise e Investigação de Mercado. Apenas 6,6% dos entrevistados afirmam que a imagem que tinha sobre os Estados Unidos melhorou, enquanto 41% afirmam que esta imagem piorou depois do início da guerra. Para 38,3%, a guerra não alterou a imagem anterior que tinham sobre o país.Na mesma direção, apenas 8,7% dos brasileiros dão razão aos Estados Unidos no conflito, enquanto 27,4% acreditam que a razão está com o Iraque. A grande maioria, 49,7% , avalia que nenhum dos dois lados tem razão. Em pesquisa anterior, feita há três semanas, 15,3% davam razão aos Estados Unidos, 14,7% ao Iraque e 51% diziam que nenhum dos dois tinha razão.Com relação à decisão dos Estados Unidos de entrar na guerra, mesmo sem o apoio da ONU a imagem do país também saiu abalada. Na pesquisa anterior, 12,5% disseram que apoiariam a entrada dos Estados Unidos na guerra, agora apenas 5,9% mantêm a opinião. Outros 8,2% dizem que apoiam em parte a invasão, contra 15% da pesquisa anterior.O número dos que se manifestaram "totalmente contrários" à invasão subiu de 53,1% para 75,9%. "Estes números parecem indicar que, não importa o resultado da guerra, pelo menos para a opinião pública brasileira, que pode refletir a de muitos outros países, o grande derrotado desta guerra são os Estados Unidos", avalia o diretor do instituto, Ronald Kuntz. "Afinal, para cada brasileiro que afirma que sua imagem sobre os Estados Unidos melhorou, existem 7 que dizem o contrário."Nas reuniões de discussão do tema, feitas com entrevistados escolhidos após a pesquisa, Kuntz afirma que os analistas do instituto detectaram uma antipatia clara pela forma como a guerra foi propagandeada pelos Estados Unidos. "A impressão que ficou foi a do forte e poderoso agredindo covardemente o fraco indefeso, o grandalhão humilhando o franzino desnutrido", diz.Lula - A posição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva diante da guerra foi avaliada de forma positiva pela maioria dos entrevistados. Os que afirmaram "apoiar totalmente" a posição do presidente somaram 69,6% dos entrevistados, enquanto 14,7% disseram que "apoiam em parte", pois prefeririam a neutralidade e outros 10,2% prefeririam que o Brasil apoiasse o Iraque. Para fazer a pesquisa, o instituto ouviu 1.201 pessoas, em todos as regiões brasileiras. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.