Jean Chung/The New York Times
Jean Chung/The New York Times

'Guerreiro do balão' subverte a Coreia do Norte com milhares de folhetos

Lee Min Bok, de 59 anos, que desertou de seu país em 1990 e chegou ao Sul em 1995, tem como trabalho em tempo integral lançar balões com propaganda contra o regime de Kim Jong-un; ele faz de 700 a 1,5 mil lançamentos por ano, cada um carregando de 30 mil a 60 mil folhetos

O Estado de S. Paulo

31 de outubro de 2016 | 14h12

POCHEON, COREIA DO SUL - A casa de Lee Min Bok, formada por dois contêineres, é monitorada por 12 câmeras de vigilância da polícia. Os cães latem para qualquer estranho que passe pelo caminho de terra batida. Detetives à paisana verificam sua caixa de correio e o acompanham onde quer que vá para protegê-lo de possíveis assassinos enviados pela Coreia do Norte, que abertamente ameaçou matá-lo. Mas isso não o desanimou.

Nos dias em que o vento sopra para o norte, Lee, de 59 anos, sai com seu caminhão de segunda mão, de 4,5 toneladas, transportando um grande tanque de hidrogênio até a fronteira com a Coreia do Norte, a uma hora de distância. Lá, ele enche com o gás dezenas de balões em forma de barril, de 7 metros e de 12 metros, e deixa que se afastem.

As bexigas transportam cargas especiais: rádios, notas de US$ 1, placas de memória de computador e, acima de tudo, dezenas de milhares de folhetos com mensagens que, segundo Lee, vão desmascarar o culto à personalidade em torno de Kim Jong-un, o jovem líder da Coreia do Norte. "Meus folhetos são um veneno para o regime porque ajudam os norte-coreanos a perceber suas mentiras", disse Lee em uma entrevista em sua casa.

Flutuando de três mil a cinco mil metros acima do nível do mar, os balões de Lee cruzam a fronteira mais bem guardada do mundo, a uma altura suficiente para que os soldados norte-coreanos não tenham muita chance de abatê-los. Então, o "temporizador" de seus dispositivos patenteados são acionados, liberando a carga. Os folhetos caem como flocos de neve sobre o norte, onde Kim luta para manter seu povo sob um apagão total de informações, bloqueando a internet e prefixando todos os rádios e televisores para que recebam apenas as transmissões cheias de propaganda de seu governo.

Na Coreia do Sul, existem 50 "guerreiros do balão", muitos deles desertores do Norte como Lee, que procuram romper o bloqueio com seus folhetos. Lee é o padrinho da iniciativa. Quando começou a enviar os balões, em 2005, e outros começaram a imitá-lo, recebeu o crédito - e a culpa - por reacender a batalha dos folhetos que os dois Exércitos coreanos haviam travado, que cessou com o fim da Guerra Fria. Ele agora lança entre 700 e 1,5 mil balões por ano, cada um carregando de 30 mil a 60 mil folhetos.

Para quem quiser ouvir, Lee prega que a melhor forma de reformar a Coreia do Norte e acabar com seu programa de armas nucleares é subvertendo o governo de Kim a partir do interior do país. E a maneira mais segura de fazer isso, como diz, é infiltrando informações externas através de folhetos, transmissões de rádio e DVDs repletos de programas da TV sul-coreana, contrabandeados através da fronteira da Coreia do Norte com a China.

"Os folhetos são mais baratos e seguros. Não há guardas de fronteira, nem radar, nem interferência de sinais de rádio para detê-los", disse Lee.

Com anos de negociações e sanções que não conseguiram parar o programa de armas nucleares da Coreia do Norte, Washington e seus aliados começaram a prestar mais atenção à guerra de informação. Após o quarto teste nuclear do Norte em janeiro, a Coreia do Sul reiniciou o uso de alto-falantes para enviar transmissões de propaganda aos berros para o outro lado da fronteira. Em setembro, Washington anunciou um orçamento de US$ 1,6 milhão para projetos que visam "promover o livre fluxo de informações para e dentro da Coreia do Norte".

Enquanto alguns desertores alegam ter fugido após ler folhetos ou ouvindo rádios do exterior, os críticos dizem que isso faz pouco mais que provocar Pyongyang.

O governo os chama de atos de guerra e ameaça dirigir um ataque de artilharia de seus postos perto da fronteira. Os baloeiros enfrentam aldeões sul-coreanos preocupados com a possibilidade de se tornarem alvo de retaliação do Norte.

Em 2011, um homem foi preso, acusado de conspirar para assassinar um ativista dos balões a mando da Coreia do Norte. Três anos mais tarde, o norte dirigiu seu fogo antiaéreo para o céu sul-coreano, tentando acertar um dos balões de Lee. Este ano, começou a retaliar com as mesmas armas, enviando folhetos ao Sul dizendo que a presidente Park Geun-hye é uma víbora e uma prostituta.

Andrei Lankov, professor da Universidade Kookmin em Seul, que cresceu na antiga União Soviética e estudou em uma universidade norte-coreana, estava cético sobre o impacto dessas ações no Norte. "Um folheto não vai mudar a opinião de uma pessoa que é exposta a propaganda oficial diária. No entanto, seria um erro parar a campanha agora. Isso é o que as autoridades norte-coreanas exigem e não é uma boa hora para mostrar fraqueza."

Lee evita confrontos com aldeões, soltando seus balões longe das cidades. Ao contrário dos ativistas mais extravagantes, ele raramente convida jornalistas para seus lançamentos. O material de outros ativistas muitas vezes carrega ataques altamente pessoais a Kim, ridicularizando-o como "um lunático nuclear" e pedindo que os norte-coreanos derrubem o "porco sanguinário". Lee acredita que uma abordagem menos provocativa pode produzir melhores resultados.

Seus folhetos, por exemplo, listam o número de carros e outros números da economia vastamente superior da Coreia do Sul. Pede então que os norte-coreanos perguntem a coreanos étnicos da China, que muitas vezes visitam o país, se esses números estão corretos. Também pede que confirmem com soldados na linha de frente que as cercas sul-coreanas na fronteira são inundadas com luzes extremamente fortes à noite, enquanto que o Norte não tem energia e permanece mergulhado na escuridão.

Não há nenhum estudo confiável sobre o número de norte-coreanos que leem os folhetos ou como reagem a eles.

Escrevendo no site 38 North, Ruediger Frank, professor na Universidade de Viena que frequentemente visita a Coreia do Norte, alertou para o perigo da atribuição de muita importância aos relatos de desertores e grupos de direitos humanos sobre o descontentamento por lá, "criando assim a impressão de um levante iminente que só precisa de um empurrãozinho de fora para acontecer".

Mas Lee disse que sua história é prova de que um folheto pode mudar a vida de um norte-coreano. Ele era biólogo de um instituto estatal de pesquisa agrícola, em 1990, quando pegou um folheto do Sul enquanto viajava perto da fronteira. Lá, leu o que para ele foi uma afirmação chocante: a guerra da Coreia começou, em 1950, com uma invasão norte-coreana.

No Norte, disse ele, o governo havia ensinado o povo a odiar os americanos ao reiterar incessantemente que os Estados Unidos e seus fantoches sul-coreanos começaram a guerra. Lee fez sua própria pesquisa, fazendo perguntas a velhos veteranos e às pessoas que viviam perto da fronteira quando a guerra começou e se convenceu que o folheto estava certo.

Até então, sua fé já havia sido abalada, quando as autoridades o repreenderam por ter sugerido reformas agrícolas. Lee fugiu do Norte, em 1991 e, depois de viajar através da China e da Rússia, chegou ao Sul, em 1995. Em seu caminho, recebeu ajuda e o batismo de missionários sul-coreanos.

Hoje, enviar balões é o trabalho em tempo integral de Lee. Ele financia sua operação com dinheiro que ganha de palestras que dá em igrejas e em outros lugares. Os cristãos também doam, pedindo-lhe para soltar pequenas Bíblias e comida no Norte. Um grupo japonês contribui, solicitando que envie folhetos pedindo ajuda aos norte-coreanos para descobrir o paradeiro de dezenas de japoneses raptados.

Lee disse que sua obsessão com os folhetos o fez negligenciar a família: a esposa sul-coreana, com quem se casou em 1996, pediu o divórcio. Hoje é casado com uma chinesa, que o apoia muito mais. "Você precisa de um parceiro nesse trabalho. Não dá para saber quando o vento certo vai soprar e sua esposa pode ser de grande ajuda quando você tem que sair correndo com os balões."

The New York Times News Service/Syndicate - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.