Guerrilha bloqueia principais estradas da Colômbia

Após uma onda de sabotagens contra as redes de energia e de comunicações e à infra-estrutura do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) lançaram ataques relâmpagos nas estradas e bloquearam as principais rodovias colombianas. Rebeldes das Farc atacaram e bloquearam a estrada que liga a capital, Bogotá, a Buenaventura, o principal porto colombiano do lado do Pacífico, e a grandes cidades, como Cali, Pereira e Armenia, informou nesta quarta-feira a assessoria de imprensa da Polícia Rodoviária. Os guerrilheiros dispararam contra os pneus de 18 grandes caminhões de carga, que ficaram atravessados na rodovia, interrompendo desde esta terça-feira o trânsito na zona de La Linea - o ponto mais elevado da estrada -, disseram os policiais rodoviários. Tropas do Exército chegaram ao local do bloqueio e estão dando cobertura para que os motoristas possam trocar os pneus furados, enquanto centenas de veículos aguardam para prosseguir viagem. A estrada que comunica a capital com os portos de Cartagena, Barranquilla e Santa Marta, no Caribe, também está bloqueada: ali as Farc incendiaram dois caminhões e dois ônibus perto do nortista porto de Pelaya, disse a Polícia Rodoviária. Uma terceira estrada que liga o sul da Colômbia ao Equador e ao porto de Tumaco, no Pacífico, também foi bloqueada nesta terça-feira pelas Farc, mas reaberta nesta quarta, após combate entre tropas do Exército e a guerrilha, em que morreram um guerrilheiro e dois militares. Outras 10 estradas colombianas estão com o trânsito suspenso devido à destruição de igual número de pontes em ataques terroristas das Farc lançados após a ruptura dos diálogos de paz em 20 de fevereiro,acrescentou o informe oficial. Outras três pontes já foram reparadas. O maior grupo guerrilheiro colombiano também atacou nesta terça-feira a estação elétrica de La Cumbre, município do sudoeste do país, onde perfuraram à bala os transformadores e incendiaram as outras instalações. As 36.000 pessoas que vivem na região ficaram sem serviços de luz, informou a Empresa de Energia do Pacífico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.