Guerrilha colombiana ameaça ricos

O chefe das FARC, Manuel Marulanda, advertiu os colombianos com um patrimônio superior a 2 milhões de pesos (cerca de US$ 1 milhão) sobre os riscos que correm se não pagarem o chamado "imposto revolucionário". Marulanda, também chamado de "Tirofijo", formulou as declarações à imprensa em San Vicente del Caguán, na zona de distensão onde se realizou na quarta-feira uma análise da situação do atual processo de negociações entre a guerrilha e os dirigentes políticos."Tirofijo" confirmou que as FARC estão cobrando esse imposto revolucionário. "Há os que pagam e os que não querem (pagar)... Mas veremos o que é melhor, se é pagar ou não pagar", advertiu o líder das FARC ao se referir durante a entrevista ao tema das extorsões e seqüestros.Durante a reunião com os dirigentes políticos, três deles candidatos à presidência nas eleições de 2002 - Noemí Sanín, Horacio Serpa e Luis Garzón -, Marulanda escutou as queixas sobre o crescente ritmo da violência em meio às negociaçòes de paz. O porta-voz do Partido Liberal, Eduardo Verano, disse que os dirigentes dos partidos reiteraram às FARC sua total rejeição às hostilidades constantes contra a população civil e a força pública, as extorsões e os seqüestros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.