Guerrilha colombiana manifesta apoio a Chávez

O "número 2" e porta-voz internacional da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Raúl Reyes, qualificou o presidente Hugo Chávez de "um patriota venezuelano" e justificou a decisão do grupo de seqüestrar a candidata à presidência colombiana Ingrid Betancourt, em fevereiro de 2002. As declarações foram feitas numa entrevista divulgada pela Agência de Notícias Colombiana (Ancol, ligada aos rebeldes)."As Farc têm simpatia pelo governo do presidente Hugo Chávez, porque se trata de um governo bolivariano que está desenvolvendo um processo bolivariano e está comprometido com os ideais de nosso libertador (Simón Bolívar)", afirmou o líder guerrilheiro. "Esperamos que ele tenha êxito para conter a arremetida violenta da oposição venezuelana, que conta com o apoio da oligarquia colombiana."No domingo, durante seu programa semanal de TV, Chávez criticou um recente relatório do Departamento de Estado dos EUA que o acusa de ser complacente com a atuação de guerrilhas esquerdistas colombianas - que Washington classifica como terroristas - em território venezuelano.Na mesma entrevista, Reyes afirmou que Ingrid Betancourt "não era a candidata da paz". "Ela não era a candidata do povo, não era a candidata da maioria, não era a candidata contra o modelo neoliberal, não era a candidata pela paz", disse Reyes afirma. ?Há pessoas que pensam que era a candidata da paz, e isso não é certo", disse Reyes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.