Guerrilha curda anuncia fim de cessar-fogo de cinco anos

As guerrilhas curdas da Turquia anunciaram o fim da trégua unilateral dos últimos cinco anos, e alertaram estrangeiros e investidores para que evitem o país. O líder do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, por suas iniciais em curdo), que atualmente utiliza o nome de KONGRA-GEL, ou Congresso Popular do Curdistão, anunciou o fim do cessar-fogo durante entrevista concedida nas Montanhas Qandil, no norte do Iraque, junto à fronteira com o Irã, informou a agência Mesopotamia News, com sede na Alemanha.Segundo Zubeyir Aydar, chefe do conselho presidencial do partido, o governo turco não respondeu aos pedidos do grupo para reconhecimento do cessar-fogo. Ele advertiu turistas e investidores para que evitem a Turquia e pediu à União Européia que remova o grupo da lista de organizações terroristas.Tuncer Bakishan, líder do principal partido político pró-curdos da Turquia, o Partido Democrático do Povo, alertou recentemente o primeiro-ministro da Turquia sobre a possibilidade de tensão a partir de 1º de junho. Aydar disse que o grupo resolveu suas diferenças e agora encontra-se unido para seguir o líder Abdullah Ocalan, que está preso na Turquia.Ocalan disse, por meio de seus advogados, não descarta o uso da força. Fontes de inteligência turcas estimam que cerca de 4,5 mil rebeldes curdos estejam no norte do Iraque e apenas algumas centenas tenham residência no sul da Turquia. Os Estados Unidos qualificam o PKK como grupo "terrorista".Os rebeldes curdos lutaram durante cerca de 15 anos por sua autonomia antes da declaração do cessar-fogo em 1999. Nesse período, cerca de 37 mil pessoas morreram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.