Luis Robayo/AFP
Luis Robayo/AFP

Guerrilha usa quarentena rígida para ganhar terreno na Colômbia

Bloqueios foram registrados em 11 dos 32 Departamentos do país, diz Human Rights Watch; oito pessoas morreram

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2020 | 05h00

Grupos armados da Colômbia estão ampliando os níveis de controle de território durante o surto de covid-19 e aplicando algumas das medidas mais rígidas de confinamento do mundo – com duras penas para os infratores. 

Na cidade portuária de Tumaco, um centro de narcotráfico no sudoeste colombiano, os guerrilheiros postaram panfletos classificando todos os violadores do toque de recolher como “alvos militares”. Em um aviso a todos, uma ambulância que atendeu a uma chamada em horário proibido foi incendiada. O motorista e paciente foram assassinados.

A advogada Lorena Paredes, de 28 anos, estava sentada no banco do passageiro de um SUV prateado. Nervosa, retornava de uma consulta médica. Ela achou que poderia ter sorte, mas foi parada em um bloqueio. Homens abriram fogo e sua perna foi atingida por três balas. O motorista, atingido no rosto e no braço, conseguiu encostar. Os dois imploraram por suas vidas. 

“Absolutamente ninguém nos ajudou”, disse Paredes, que trabalha com casos de abuso doméstico na cidade. “Uma pessoa se aproximou, porque eu gritei. Ela chegou perto da janela do nosso carro e ela disse: ‘Calma, porque aqui é proibido ajudar.’”

Grupos de direitos humanos, líderes comunitários e funcionários do governo afirmam que uma lista de guerrilheiros esquerdistas, paramilitares de direita e cartéis de drogas está usando o surto para consolidar o controle sobre partes de um país que ainda sofre com as consequências de cinco décadas de conflito armado. “Para esses grupos, isso não é um problema de saúde”, disse Gimena Sanchez-Garzoli, diretora andina do escritório de Washington na América Latina. “Trata-se de exercer controle social sobre a população”.

Enquanto o governo do presidente Iván Duque se concentra no agravamento do surto de coronavírus – o país registrou mais de 204 mil infecções e quase 7 mil mortes – as medidas impostas por grupos armados servem a pelo menos dois propósitos: expandir o controle sobre estradas e comunidades e reforçar a posição de governantes de seus territórios.

A Human Rights Watch informou que grupos armados impuseram bloqueios por coronavírus em 11 dos 32 departamentos da Colômbia, levando a pelo menos oito mortes, seis no conturbado Departamento de Cauca, no oeste do país. O escritório presidencial de direitos humanos e assuntos internacionais disse neste mês que o governo age para combater uma tentativa de grupos irregulares de obter maior controle de terreno. / W. POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.