Luis Robayo/AFP Photo
Luis Robayo/AFP Photo

Guerrilheiro do ELN pertencia à Guarda Nacional Bolivariana, diz Santos

Segundo militares colombianos, venezuelanos atravessam a fronteira e são recrutados em condições muito vulneráveis pela guerrilha

O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2018 | 12h33

BOGOTÁ - O presidente da Colômbia, Juan Manuel  Santos, disse na noite do domingo, 18, que o guerrilheiro do Exército de Libertação Nacional (ELN) que morreu na semana passada enquanto colocava explosivos em uma estrada no nordeste da Colômbia “pertencia ou pertenceu” à Guarda Nacional Bolivariana (GNB) – a polícia militar venezuelana. 

+ Colômbia diz que há cada vez mais venezuelanos atuando no ELN

O atentado ocorreu numa rodovia que une as cidades de Pamplona e Cúcuta, no Departamento Norte de Santander, fronteiriço à Venezuela. Segundo Santos, esse é mais um indício de que a guerrilha está recrutando venezuelanos, como revelou na semana passada o comandante das Forças Armadas colombianas Alberto Mejía. 

“Venezuelanos atravessam a fronteira e são recrutados em condições muito vulneráveis pela guerrilha”, disse o líder militar. 

O ELN, ainda segundo o relato do general, oferece pagamentos e benefícios para aderir ao grupo. Além do recrutamento, os líderes da guerrilha têm se refugiado na Venezuela. 

+ Líderes do ELN se refugiam na Venezuela, diz chefe das Forças Armadas da Colômbia

Diariamente, 37 mil venezuelanos cruzam a fronteira – uns para comprar comida e remédios, outros para fugir da crise no país vizinho. Ao menos 550 mil já se instalaram definitivamente na Colômbia. 

O ministro da defesa colombiano, Luis Carlos Villegas, e o venezuelano, Vladimir Padrino, devem debater o tema numa reunião nos próximos dias. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.