REUTERS/John Vizcaino
REUTERS/John Vizcaino

Guerrilheiros das Farc deixam zona de concentração na Colômbia prevista no acordo de paz

Rebeldes abandonaram região ‘sem armas e à paisana’ após população rejeitar o acordo no plebiscito de domingo

O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2016 | 16h05

BOGOTÁ - Guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) abandonaram na quinta-feira a zona da Colômbia onde se concentraram antes do plebiscito que, no domingo, rejeitou o acordo de paz com o governo, informaram fontes humanitárias.

Os rebeldes regressaram "ao longo desta quinta-feira" para suas regiões de operação em diversos pontos do país, a partir de El Diamante, nos Llanos del Yarí, no sul da Colômbia, onde há 13 dias concluíram a última conferência nacional das Farc, revelou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR).

Todos os guerrilheiros "seguiram sem armas e à paisana", declararam as fontes, sem detalhar o número e os tipos de veículos utilizados para retirar os rebeldes da região, a cinco horas da cidade de San Vicente del Caguán, região de histórica influência das Farc.

O movimento das Farc ocorre após os colombianos rejeitarem nas urnas o acordo de paz firmado em 26 de setembro com o governo de Juan Manuel Santos ao final de quase quatro anos de negociações em Cuba. Antes do referendo, as tropas das Farc se reagruparam para iniciar seu deslocamento para as zonas de desarmamento previstas no pacto.

O acordo previa que os 5.765 combatentes das Farc ficariam em 27 pontos definidos em todo o país para a entrega das armas e sua posterior reinserção na vida civil, em um processo supervisionado pelas Nações Unidas.

A retirada ocorre com base no cessar-fogo bilateral e definitivo em vigor desde o dia 29 de agosto, que será mantido mesmo com a rejeição do acordo de paz no referendo. "Segue vigente, e seguirá vigente", declarou Santos no domingo sobre o cessar-fogo, logo após a vitória do "não" no referendo.

O chefe supremo das Farc, Rodrigo Londoño - conhecido como “Timochenko” -, confirmou em Havana que as "frentes guerrilheiras em todo o país" cumprirão com a necessária medida de alívio às vítimas do conflito, como foi acertado com o governo nacional. / EFE

Veja abaixo: Santos ganha Nobel da Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.