Guerrilheiros filipinos dizem que refém está morto

Os guerrilheiros islâmicos que mantêm dezenas de reféns no sul das Filipinas disseram aos familiares de um cativo norte-americano que "ele definitivamente está morto". Os rebeldes do grupo Abu Sayyaf anunciaram há duas semanas que haviam decapitado Guillermo Sobero, de 40 anos, na província de Basilan, mas seu cadáver ainda não foi encontrado, gerando esperanças de que os guerrilheiros haviam mentido.Ontem, a irmã de Sobero, Ana, implorou aos guerrilheiros para que eles permitissem que ela falasse com seu irmão através de uma emissora de rádio local. "Guillermo, espero que possa nos escutar", disse Ana Sobero ao iniciar a leitura de uma carta escrita por sua mãe através da emissora RMN. Depois, disse aos rebeldes: "Compreendemos que sua gente tem sofrido muito. Não compreendemos a política de sua situação, mas queremos fazer chegar essa mensagem a seus espíritos mais elevados e à sua fé em Alá. Por favor, tenham piedade. Por favor, aliviem nosso sofrimento e permitam que ele fale conosco através da rádio".Pouco depois, a RMN afirmou ter recebido um telefonema do porta-voz do grupo guerrilheiro, Abu Sabaya, que afirmou que os rebeldes não poderiam permitir tal comunicação porque Sobero estava morto. A conversa não foi ao ar. Em entrevista à Associated Press em Basilan, Sabaya ameaçou executar mais três reféns, inclusive um outro norte-americano, Martin Burnham, caso o governo não aceite uma lista de negociadores apresentada pelo grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.