AFP PHOTO / ADALBERTO ROQUE
AFP PHOTO / ADALBERTO ROQUE

Guerrilheiros que não aceitarem a paz deverão usar outro nome, advertem Farc

Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia emitiram comunicado lembrando que decisões do grupo são adotadas por maioria e devem ser cumpridas

O Estado de S. Paulo

09 Julho 2016 | 16h09

BOGOTÁ - Os combatentes das Farc que não aceitarem o acordo de paz com o governo da Colômbia estarão "fora" da organização e não poderão "usar seu nome, armas e bens", advertiu na sexta-feira 8 a guerrilha, esclarecendo que não admitirá "dissidências".

O Estado-Maior do Bloco Comandante Jorge Briceño, que opera no centro do país e é considerado um dos mais fortes do grupo rebelde, emitiu um comunicado no qual adverte que os guerrilheiros que não acatarem a paz deverão "adotar um nome diferente". "O Estado-Maior Central e seu secretariado são as máximas instâncias de direção e comando nas FARC-EP. Suas determinações, ordens e orientações são de cumprimento obrigatório para todos os membros."

O texto, assinado nas montanhas da Colômbia, foi divulgado após a informação de que membros da Frente Primeira das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) decidiram não entregar as armas após a assinatura do acordo de paz entre o grupo rebelde e o governo colombiano.

As Farc adotam suas decisões "por maioria" e como têm cumprimento obrigatório, não é possível "a formação de dissidências de qualquer ordem", destaca o comunicado, difundido pelo Observatório de Paz e Conflito da Universidade Nacional da Colômbia.

"Agindo como procedem, os antigos comandantes e combatentes das FARC-EP não apenas adotam um comportamento temerário contrário às determinações da Direção Nacional, mas também chocam frontalmente com os anseios de paz" da Colômbia.

Na quarta-feira 6, o presidente Juan Manuel Santos advertiu os membros da Farc que esta será a "última oportunidade" de desmobilização. "De outra forma, terminarão no túmulo ou na prisão". /AFP

 

Mais conteúdo sobre:
Farc Colômbia Juan Manuel Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.