Guia conta como ajudou Bin Laden a fugir

Osama bin Laden conseguiu fugir do Afeganistão, em dezembro, com cerca de mil militantes da Al Qaeda, escapando do cerco e bombardeios de forças americanas a seus refúgios nas cavernas da região montanhosa de Tora Bora, no Afeganistão. Segundo a revista americana Newsweek, dois ex-milicianos do Taliban - um deles guia experiente - ajudaram Bin Laden a escapar dos americanos, levando-o por caminhos pouco conhecidos nas Montanhas Brancas. De acordo com o guia, cuja identidade não foi divulgada, o chefe terrorista viajou a cavalo - ele revelou que Bin Laden é um "excelente cavaleiro" e que, no difícil percurso, em poucas ocasiões desceu do cavalo. A fuga também teria sido favorecida por um erro estratégico americano, com bombardeios a uma rota de fuga equivocada. Além disso, o presidente paquistanês, Pervez Musharraf, poderia ter fechado o caminho de fuga se não tivesse tido de desviar sua atenção para o atentado de um grupo armado baseado no Paquistão ao Parlamento indiano. Segundo o guia taliban, enquanto os aviões americanos bombardeavam pesadamente a rota de Tora Bora à cidade afegã de Kwost, centenas de militantes da Al Qaeda escapavam pela rota das Montanhas Brancas, chegando ao Paquistão. Bin Laden, a cavalo e com 28 assessores, fugiu pelas cavernas Shahikot. O guia explicou como conduziu o grupo através das montanhas e de campos nevados em território afegão. O outro militante do Taliban, identificado como Ali Mohamed, disse que, em fevereiro, Bin Laden deixou o Paquistão e voltou às cavernas de Shahikot, acompanhado de 15 guarda-costas, onde permaneceu cinco dias. Na ocasião, segundo Mohamed, Bin Laden esteve em áreas onde milicianos do Taliban mantinham focos de resistência ao avanço das forças americanas e os exortou a "manter o moral alto, socorrer os feridos e ter confiança em Alá, que os recompensaria no dia do Juízo Final". Desde então, não se sabe para onde teria ido o chefe terrorista saudita: se voltou para o Paquistão ou se permanece em algum refúgio nas montanhas afegãs. "O pior não passou. Está por vir" Um especialista em combate ao terrorismo disse à Newsweek que Bin Laden, responsabilizado pelos Estados Unidos pelos atentados de 11 de setembro em Nova York e Washington, poderá agora ser ainda mais perigoso. "A avaliação da operação americana no Afeganistão atualmente é de que a ameaça é muito maior agora do que foi em dezembro, após a fuga de Bin Laden. Com isso, quero dizer que o pior não passou. Está por vir." A Newsweek assinalou que a operação militar americana no Afeganistão é considerada em geral um êxito e os estrategistas do Pentágono estão prontos para um próximo desafio: uma grande operação militar para derrotar Saddam Hussein no Iraque. "A crítica (à operação no Afeganistão) é considerada quase antipatriótica", salientou a revista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.