Guiana defende concessão à ExxonMobil após objeções da Venezuela

A Guiana rejeitou neste sábado as objeções feitas pela Venezuela sobre a concessão à ExxonMobil do direito a exploração de óleo e gás em águas do Caribe que são reivindicadas por ambas as nações.

Estadão Conteúdo

14 Março 2015 | 19h44

A ministra de Relações Exteriores Carolyn Rodrigues-Birkett afirmou em declaração que o projeto continuará, visto que a Guiana tem a autoridade sobre a área em disputa. O documento foi divulgado um dia após a publicação de publicidades em jornais locais que expressavam o descontentamento do governo venezuelano com o início das perfurações exploratórias da Exxon no início do mês.

A publicidade afirmava que o governo "se reserva o direito de realizar todas as ações no campo diplomático, de acordo com as leis internacionais, que podem ser necessárias para defender e salvaguardar a soberania e independência da Venezuela".

Em resposta, Rodrigues-Birkett disse que a Guiana tem a autoridade para explorar unilateralmente, com ou sem parceiros, os recursos sob sua jurisdição. "Qualquer ato ou objeção ao exercício de tal jurisdição é contrário às leis internacionais", afirmou em nota.

Em 2013, a Marinha da Venezuela expulsou uma embarcação enviada pela companhia norte-americana Anadarko na área da concessão da Exxon e deteve sua tripulação por uma semana antes de libertá-la. A ministra da Guiana afirmou que tais ações têm minado os esforços da Organização das Nações Unidas (ONU) de mediar a disputa desde 1989. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Guiana Venezuela ExxonMobil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.