REUTERS/Rodrigo Garrido
REUTERS/Rodrigo Garrido

Guillier e Beatriz, jornalistas que sonham com a presidência do Chile

Colegas de rádio e televisão, os candidatos pelo Partido Socialista e pela 'Frente Ampla' - grupo de esquerda radical -, respectivamente, têm 15,4% e 8,5% das intenções de voto; um deles deve enfrentar o direitista Sebastián Piñera no segundo turno

O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2017 | 16h20

SANTIAGO - Antigos companheiros de rádio e televisão, os jornalistas Alejandro Guillier e Beatriz Sánchez são candidatos à presidência do Chile e sonham em disputar o segundo turno contra o favorito Sebastián Piñera.

Chile encerra campanha com Piñera na dianteira

Em um cenário de desconfiança a respeito dos políticos tradicionais, figuras reconhecidas como Guillier e Sánchez tentam ocupar um espaço reservado para outras profissões, como advogados, engenheiros ou médicos.

As três décadas de carreira no jornalismo de Alejandro Guillier, que foi repórter, editor chefe e apresentador dos principais telejornais do país - e fizeram dele um dos jornalistas de maior credibilidade do Chile -, prepararam o caminho para que se transformasse, aos 64 anos, no candidato com mais chances dentro da coalizão governista.

Com o governo sem um nome forte para a disputa, o jornalista superou figuras históricas da esquerda chilena, como o ex-presidente Ricardo Lagos (2000-2006), preterido pelo Partido Socialista em favor de Guillier, estrela emergente nas pesquisas.

Diante da intensa energia do principal candidato, o ex-presidente Sebastián Piñera, que afirma dormir apenas cinco horas, Guillier defende o 'cochilo', a boa comida e as longas conversas com um tom mais pausado. Muitos o acusam de falta de entusiasmo na campanha.

Os 5 desafios do próximo presidente do Chile

"As pessoas confundem, estão acostumadas com os hipercinéticos", disse em uma entrevista recente, depois de ressaltar que foi o "único candidato que percorreu todo o Chile".

Apesar de ter o apoio dos partidos tradicionais de esquerda, Guillier defende sua posição de "independente". Iniciou sua carreira política há quatro anos, quando foi eleito senador pela região de Antofagasta (norte) com 37% dos votos.

O preço de sua independência foi elevado: a disputa à presidência como candidato sem partido o obrigou a enfrentar a complexa missão de obter, com recursos privados, mais de 30.000 assinaturas reconhecidas em cartório, em um trabalho de 'formiguinha' em todo o país.

"Tenho que alcançar um equilíbrio muito difícil entre uma forma mais transparente e horizontal de governo e a tradição política", disse Guillier - que estudou Sociologia antes do Jornalismo - em um encontro com correspondentes estrangeiros, para defender o que chama de "estilo cidadão".

Casado com a antropóloga María Cristina Farga, usou durante a campanha o slogan "o presidente das pessoas", em uma tentativa de enfatizar sua proximidades com a população, que ainda o reconhece mais por seu trabalho na televisão, onde em 2013 dividiu espaço com a agora rival Beatriz Sánchez.

A jornalista antissistema

Depois de uma longa carreira nas principais rádios do país e mais recentemente na televisão - onde chegou para derrubar o padrão de jornalistas com físico de modelo -, Beatriz Sánchez aceitou a indicação como candidata à presidência pela 'Frente Ampla', grupo de esquerda radical dissidente da coalizão governista formada pelos antigos líderes dos protestos estudantis. 

Com o argumento de que é a "ponte entre os movimentos sociais", rapidamente chegou ao terceiro lugar nas pesquisas e virou uma personagem importante nas eleições de domingo.

Como jornalista, apresentava sua opinião, de maneira veemente, mas também amável e próxima dos entrevistados. Na campanha, Beatriz é, sem dúvida, a mais sorridente e entusiasmada entre os oito candidatos à presidência do Chile.

"Sem uma mudança, sem uma reflexão, o país está repleto de raiva e de medo", advertiu recentemente.

Direita chega como favorita para eleições presidenciais no Chile

Abertamente feminista, Beatriz, de 46 anos, é favorável à legalização do aborto seguro para todas as mulheres, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, a um papel maior do Estado na educação e saúde, assim como ao fim das administrações privadas de fundos de pensões. Também deseja a presença do Estado na questão das aposentadorias.

De acordo com as pesquisas, um dos jornalistas deve disputar o segundo turno com o favorito, o bilionário de direita Sebastián Piñera, que tem 34,5% das intenções de voto. Guillier aparece com 15,4% e Beatriz com 8,5%. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.