Andre Kosters/Efe
Andre Kosters/Efe

Guiné-Bissau tem fronteiras fechadas por junta militar

Militares golpistas anunciaram decisão depois de Portugal anunciar envio de foça naval

Efe,

16 de abril de 2012 | 12h23

BISSAU - A Junta Militar que controla o poder em Guiné-Bissau decretou nesta segunda-feira, 16, o fechamento das fronteiras terrestres, marítimas e aéreas do país, informou a emissora estatal Rádio Difusão Nacional.

A Junta afirmou, em comunicado divulgado pela emissora, que apenas os aviões identificados estarão autorizados a aterrissar no aeroporto de Bissau, que permanece fechado ao tráfego desde quinta-feira (12).

Os militares golpistas fizeram pública esta decisão depois que Portugal anunciou o envio de uma força naval com o eventual objetivo de retirar cidadãos portugueses e de outras nacionalidades da antiga colônia.

Para esta segunda-feira é esperada a chegada à capital do país africano de uma delegação da Comunidade Econômica dos Estados de África Ocidental (Cedeao) para buscar uma saída à crise. A Cedeao denunciou o levante e exigiu o retorno à legalidade constitucional.

A Junta Militar anunciou no domingo a dissolução de todas as instituições do país e a criação de um Conselho Nacional de Transição cujo mandato e composição serão decididos nesta segunda-feira em reunião entre a junta e alguns partidos políticos.

O golpe de Estado, realizado no dia 12, aconteceu enquanto o país - um dos mais pobres do mundo - se encontrava em pleno processo eleitoral para realizar a segunda rodada das eleições presidenciais fixadas para o dia 29 de abril.

Os responsáveis pelo levante afirmaram que atuam contra um suposto "acordo secreto" entre Guiné-Bissau e Angola - que tem 200 soldados envolvidos com uma ajuda na reforma do Exército guineano - que ameaçaria a soberania nacional.

O golpe de Estado foi condenado pelos Estados Unidos, pela União Africana, a Cedeao, a União Europeia, o Conselho de Segurança das Nações Unidas, e pela antiga metrópole, Portugal, entre outros. 

Tudo o que sabemos sobre:
Guiné-BissauGolpe militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.