Gustav se aproxima de Cuba com ventos de 205 km/h

O furacão Gustav, que se fortaleceu para Categoria 3 durante a madrugada, aproximava-se de Cuba neste sábado com ventos de 205 quilômetros por hora, no caminho para atingir a costa norte-americana do Golfo do México, três anos após a passagem do furacão Katrina.No início deste sábado, o furacão havia deixado as Ilhas Cayman e estava cerca de 295 quilômetros a Oeste da ponta oeste de Cuba e a apenas 85 quilômetros Leste-Sudeste da Ilha da Juventude, movendo-se a quase 22 quilômetros por hora.O furacão pode atingir a costa do Golfo nos EUA em qualquer lugar desde Panhandle, na Flórida, até o Texas, mas prognósticos apontam que há uma chance crescente de que Nova Orleans será atingida pelo menos por ventos fortes. Residentes começaram a sair da cidade pelas estradas e o governo anunciou planos de retiradas mais amplas. A Agência Federal de Gerenciamento de Emergência disse que espera que seja solicitado a um "grande número" de residentes da Costa do Golfo que deixem a região neste final de semana.O Gustav já matou 78 pessoas no Caribe e o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC), em Miami, disse que ele pode ficar ainda mais forte no Golfo, antes de atingir a costa norte-americana. A televisão estatal cubana anunciou que todos os ônibus e trens que chegam e saem de Havana foram suspensos, assim como o serviço aéreo e de balsas para a Ilha da Juventude, província de Cuba perto do curso do furacão.Fortes ventos se juntaram a chuvas intermitentes ao longo de Havana, onde autoridades policiais supervisionavam trabalhadores removendo pedras, galhos de árvores e outros escombros na praia de Malecon. Ônibus escolares amarelos se enfileiraram nos arredores, prontos para retirar milhares de residentes para abrigos em lugares mais acima do nível do mar. Autoridades anunciaram que estão preparados para "proteger" os 20 mil turistas na província de Matanzas, que inclui o famoso resort de Varadero. O Gustav atingiu as Ilhas Caymans na sexta-feira, com fortes ventos que derrubaram árvores e linhas de eletricidade. Mais de 1.100 pessoas passaram a noite em abrigos do governo, mas não há relatos de vítimas ou grandes danos.O Ministério do Interior do Haiti elevou neste sábado o número de mortos com a passagem do furacão por lá de 59 para 66. O Gustav também matou oito pessoas na República Dominicana e quatro na Jamaica. As informações são da Associated Press.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.