Gutiérrez lidera na contagem de votos no Equador

Contados os votos de 21% das seçõeseleitorais do segundo turno do pleito presidencial deste domingono Equador, o ex-coronel golpista Lucio Gutiérrez ganhavadianteira sobre seus adversário, o magnata Alvaro Noboa, segundodados oficiais. Gutiérrez acumulava 596.981 votos, que correspondem a 5822% dos votos válidos, e Noboa, 428.451 sufrágios, equivalentesa 41,78%, segundo dados distribuídos pelo Tribunal SupremoEleitoral através de uma rede de televisão.Esta é o quarta eleição presidencial no país num períodode dez anos, durante os quais a turbulência política impediu quedois dos governantes completassem seus mandatos. Ao soarem os sinos das igrejas da capital, Quito, e deoutras cidades equatorianas às 7h00 da manhã (hora local),abriram-se as seções eleitorais em todo o país em que 8,1milhões de seus 12 milhões de habitantes estão habilitados avotar. Na cidade andina de Riobamba, no entanto, a eleição foisuspensa até o próximo domingo devido à explosão esta semana deequipamentos militares em um quartel desta cidade a 160 km aosul de Quito, que deixou grande número de mortos e feridos evultosos danos materiais. No primeiro turno eleitoral, realizado em outubro,Gutiérrez obteve 20,4% dos votos e Noboa, 17,3%; mas, comonenhum dos candidatos alcançou a maioria, realizou-se hoje asegunda rodada. Ao comparecer hoje às urnas, Gutiérrez denunciou queNoboa havia "comprado a consciência" das autoridadeseleitorais e pediu que as Forças Armadas, a polícia e osobservadores internacionais impeçam uma possível fraude. Noboa, por sua vez, descartou a possibilidade de fraudee assegurou que os dados de duas empresas de pesquisas, cujonome não revelou, mostraram que ele seria o vencedor do pleito.Fez esta declaração em meio à jornada eleitoral, seis horasantes de a votação se encerrar. Gutiérrez manteve-se como favorito nos levantamentospré-eleitorais para o segundo turno com uma vantagem de 56% dasintenções de voto sobre os 20% de Noboa, mas as últimassondagens revelaram que a diferença se reduzira. Um delas,inclusive, apontou um "empate técnico", com 38,9% paraGutiérrez e 38,1% para Noboa. O ex-militar, que se define como de centro-esquerda, foiapresentado por seu partido, Sociedade Patriótica 21 de Janeiro,que ele fundou com esse nome por liderar nessa data uma rebeliãode indígenas e militares que derrubou o presidente Jamil Mahuadem janeiro de 2000. Noboa foi apresentado pelo Partido RenovadorInstitucional Ação Nacional (PRIAN), que fundou após ter perdidoem 1998, por estreita margem, para Mahuad no segundo turno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.