Gyanendra é coroado rei do Nepal

O príncipe Gyanendra, de 54 anos, foi coroado rei do Nepal nesta segunda-feira, três dias depois de seu sobrinho, o príncipe Dipendra, ter atirado contra seus pais e outros membros da família real nepalesa e tentou se suicidar. O Conselho de Estado do Nepal se reuniu na manhã de hoje (por volta das 2h da madrugada, em Brasília) e proclamou Gyanendra rei do Nepal.O conselho confirmou a morte do príncipe Dipendra, que mesmo após o assassinato dos parentes chegou a ser coroado rei nepalês. Em razão de seu estado de saúdem porém, Dipendra não chegou a assumir o trono. Gyanendra, que já assumiu a coroa nepalesa durante dois meses em 1950 e 1951, se encontrava na cidade de Pojra quando a chacina ocorreu.Segundo a versão de funcionários do governo e do palácio real, Dipendra matou seus pais e mais seis parentes, além de ter ferido outros três integrantes da família. Entre as vítimas estavam o rei Birendra, 55; a rainha Aiswarya, 51; o príncipe Nirajan, 22; e a princesa Shruti, 24. Após muitas especulações sobre o que teria levado Dipendra, de 30 anos, a descarregar uma pistola semi-automática contra os parentes, a informação oficial é que a tragédia ocorreu durante um jantar que costumavam fazer todas as sextas-feiras. Tudo indica que, após o início de uma ferrenha discussão sobre o casamento do príncipe Dipendra, a família real teria pedido ao herdeiro para que abandonasse a mesa, pois estaria alcoolizado. Mas Dipendra se retirou da mesa, voltou com uma pistola na mão e disparou contra todos. Fala-se também que Dipendra vinha tendo nos últimos tempos sérias desavenças com sua mãe, a rainha Aishwarya, porque discordavam com relação à escolha de sua namorada. ConfusãoPara a maioria dos nepaleses, porém, os membros da família real que sobreviveram à chacina estão escondendo os fatos. No domingo, Gyanendra emitiu uma nota oficial deixando a população ainda mais confusa. Segundo a declaração do novo rei, o príncipe Dipendra não tinha a intenção de matar seus parentes e a pistola automática usada pelo príncipe disparou acidentalmente.No domingo, centenas de pessoas queimaram pneus no centro de Katmandu, exigindo saber a verdade sobre as mortes no palácio real. A população considerou a explicação "absurda". "Não existe nada parecido com esse acidente bizarro. Uma arma pode matar uma pessoa acidentalmente, mas não várias pessoas de uma só vez", disse o comerciante Bal Bahadur Tamang.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.