Há 11 anos, os piores ataques

Entre os dias 17 e 20 de dezembro de 2001, as principais cidades da Argentina transformaram-se em um cenário de batalhas campais entre desempregados, que saqueavam supermercados, e a polícia, que tentava impedi-los. Milhares de comércios, grandes e pequenos, foram depredados nas cidades de Tucumán, Mendoza, Rosário, Concepción del Uruguay, Mar del Plata e Santa Fé, além dos municípios operários da Grande Buenos Aires. A crise econômica - agravada pelo "corralito" (o maior confisco bancário da história argentina) - levou à pobreza milhões de argentinos. Na época, alguns supermercados preferiram distribuir gratuitamente alimentos para apaziguar a multidão.

O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2012 | 02h04

Em Fuerte Apache, um dos bairros mais perigosos de Buenos Aires, os comerciantes da região deixaram centenas de bolsas de comida no meio da rua. A multidão atropelou-se para conseguir as bolsas e muitos foram pisoteados na correria. A maior parte dos alimentos foi destruída.

Esse era o cenário dos últimos três dias do governo do presidente Fernando De la Rúa, que no 20 de dezembro renunciou em meio ao caos econômico e político. / A.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.