Há 175 milhões de imigrantes no mundo, diz ONU

Depois de anunciar que metade da população mundial vive com menos de US$ 2,00 por dia, a ONU apresenta mais um número alarmante: 175 milhões de pessoas são imigrantes, e deixaram seus países em busca de uma condição de vida e de trabalho melhor. O número, apresentado pela Organização Internacional para Migrações (OIM), representa 2,9% da população mundial. Somente no Brasil há um milhão de argentinos, chilenos, uruguaios e paraguaios que vieram em busca de uma situação mais favorável.Segundo a agência da ONU, o número de imigrantes passou de 75 milhões em 1965 para 175 milhões neste ano e, em 2050, deverá chegar a 230 milhões de pessoas. Nos últimos 30 anos, o país que mais gerou imigrantes foi o México, com 6 milhões de pessoas, a maioria hoje vivendo nos Estados Unidos. O segundo lugar fica para Bangladesh e Afeganistão, cada um com 4,l milhões de pessoas vivendo no exterior.Apesar de todas as críticas que recebem sobre seu controle de fronteira, os Estados Unidos são o país com a maior população de imigrantes no mundo: 35 milhões de estrangeiros vivem hoje em território norte-americano e 11% dos trabalhadores formais não são nascidos no país. Entre os dez maiores receptores de imigrantes, porém, a ONU destaca que não estão apenas os países desenvolvidos. A Arábia Saudita conta com 5,5 milhões de imigrantes e a Índia com 6,3 milhões, quantidade equivalente à existente na França. A Inglaterra, com 4 milhões de imigrantes, soma menos estrangeiros que o Paquistão, com 4,2 milhões.Já no Brasil, país que é ao mesmo tempo destino e de origem de imigrantes, a ONU aponta a existência de pelo menos 1 milhão de latino-americanos que vieram em busca de trabalho. Entre os brasileiros no exterior, o caso mais marcante é o do Paraguai, onde vivem cerca de 300 mil. Os 270 mil brasileiros no Japão também chamam a atenção da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.