Arquivo AE-7/4/1962
Arquivo AE-7/4/1962

Há 50 anos, objetivo de Kennedy na ilha era frear socialismo

JFK visitou Porto Rico em seu primeiro ano de mandato, preocupado com a influência da [br]Revolução Cubana

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2011 | 00h00

WASHINGTON

Ao visitar Porto Rico, ontem, Barack Obama repetiu gesto feito apenas por um antecessor, John F. Kennedy, há exatos 50 anos. Embora vários meios americanos tenham visto nessa iniciativa uma tentativa de a Casa Branca atrelar a imagem de Obama ao do maior ícone do país no século 20, a história aponta uma diferença crucial. JFK esteve na ilha no primeiro ano de seu mandato, em dezembro de 1961. Obama deixou o tour para o segundo mês depois do anúncio de sua campanha à reeleição.

Se Obama foi movido por sua ambição eleitoral, JFK foi atraído a Porto Rico pela importância estratégica do território americano na questão de Cuba. Na época, Kennedy emitia sinais favoráveis a um novo status para Porto Rico em relação aos EUA. Ele propôs fazer da ilha um ponto de encontro entre autoridades de Washington e latino-americanas para a discussão de problemas comuns. O governo americano havia lançado, sete meses antes, a Aliança para o Progresso, um programa para a promoção do desenvolvimento econômico cuja finalidade maior era conter a perspectiva de avanço de Cuba na América Latina.

Entre JFK e Obama, outros dois presidentes americanos pisaram em Porto Rico, mas não em visitas oficiais. Lyndon Johnson, em 1968, desembarcou na ilha para o lançamento de um novo avião militar na Base Aérea dos EUA em Aguadilha. Gerald Ford, seis anos mais tarde, compareceu a um encontro econômico em Porto Rico. A Ilha de Porto Rico foi cedida pela Espanha aos EUA ao final da guerra travada entre esses dois países em 1898. Desde então, é território americano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.