Há no mundo quase 35 milhões de deslocados em 40 países

Entre 25 e 35 milhões de pessoas em 40 países foram obrigadas a abandonar suas casas e deslocar-se para outras regiões dentro de suas nações, devido principalmente a situações de violência, denunciou hoje no México o representante das Nações Unidas para o Deslocados Internos, Francisco M. Deng. O diplomata sudanês, que realiza uma visita oficial de três dias ao México e hoje seguiu para o estado de Chiapas, no sul do país, afirmou que as maciças migrações internas são conseqüência sobretudo de conflitos bélicos, sentimentos nacionalistas exacerbados, tensões étnicas e conflitos religiosos. "Estamos falando de gente que foi arrastada pela guerra ou pela discriminação racial" e obrigada a deixar seus lares, disse. O enviado da ONU explicou que o problema dos deslocados no mundo afeta praticamente todos os continentes e reflete "sintomas de desequilíbrios internos" em muitos países. Deng se mostrou especialmente preocupado porque os mais recentes deslocamentos internos se devem às "iniqüidades sociais e à crescente marginalização". Em Chiapas ainda há milhares de deslocados internos devido ao conflito rebelde zapatista, que explodiu em janeiro de 1994.

Agencia Estado,

21 Agosto 2002 | 14h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.