Há pouca esperança de que mineiros estejam vivos

As equipes de resgate começaram ontem a perder a esperança de encontrar com vida algum dos 181 mineiros presos desde sexta-feira em uma mina de carvão na Província de Shandong, leste da China. Como precaução, os socorristas suspenderam ontem os trabalhos e continuaram a tirar com bombas industriais de sucção a água que transbordou de um dique e inundou a mina. Antes que milhares de soldados e moradores selassem ontem uma rachadura no dique usando sacos de areia, a água já havia enchido quase completamente a mina de 860 metros, disseram funcionários. "Até o meio-dia de sábado, a água já havia subido cerca de 20 metros da entrada da mina, disse Zhang Dekuan, porta-voz do governo provincial de Shandong.Antes que as equipes de resgate pudessem entrar nos poços da mina, foi necessário esvaziar cerca de 10 milhões de metros cúbicos de água. Mas somente duas das nove bombas necessárias para o serviço haviam sido instaladas. "Este é um acidente provocado por causas naturais", disse Zhang, aumentando ainda mais a fúria dos parentes dos mineiros, que exigiam informações. As famílias temem que os proprietários da mina evitem assumir a responsabilidade e reduzam o potencial pagamento de compensações.Nenhum funcionário ou diretor da companhia mineradora privada se dispôs a falar com os parentes dos mineiros, que gritavam e choravam diante dos portões da Huayuan Mining, pedindo informações. "Eles não consideram que os mineiros são pessoas", disse Liu, cujo irmão estava desaparecido.A indústria de mineração da China é a mais mortífera do mundo, com uma média de 13 mineiros mortos diariamente. A China depende do carvão para suprir dois terços de sua necessidade de energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.