'Há uma perseguição dos EUA a Assange'

Amigo do fundador do WikiLeaks diz que país busca dados para abrir um processo contra o australiano e condená-lo

Entrevista com

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2012 | 03h07

Julian Assange estaria sendo alvo de um processo político e corre o risco de ser condenado à prisão perpétua por ter divulgado telegramas secretos da diplomacia americana. Por isso, pediu asilo no Equador. Quem explica isso é Gavin MacFadyen, uma das pessoas mais próximas do fundador do site WikiLeaks e que comanda um centro de jornalismo na City University. MacFadyen passou parte de seu tempo nos últimos dias ao lado de Assange na Embaixada do Equador em Londres e confirmou ao Estado que já existia uma espécie de entendimento entre Quito e o australiano de que o Equador estaria disposto a lhe garantir proteção, caso fosse necessário. Em entrevista ao Estado, MacFadyen indicou ainda que Assange escolheu o Equador por causa do apoio que ele acredita ter do governo de Rafael Correa. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Porque Assange decidiu pedir asilo?

Ele tem preocupações políticas legítimas. Não se trata de um simples caso. Existe uma possibilidade real de que Julian seja extraditado não apenas de Londres para a Suécia, mas de lá para os Estados Unidos. Por isso seu pedido de asilo. Há um trabalho intenso nos EUA de coleta dados e informações para que seja aberto um processo contra ele. A meta é simples: condena-lo pela publicação das informações secretas a uma pena que, na melhor das hipóteses, seria de 40 anos de prisão. Na prática, seria uma prisão perpétua, já que Julian tem hoje 40 anos. Por isso o pedido de asilo.

Mas porque o Equador?

Há uma sintonia importante entre os dois e o pedido de asilo não foi algo decidido de uma hora para outra. Há algum tempo os equatorianos indicaram que ele poderia contar com o presidente (Rafael) Correa se precisasse de proteção.

Quanto tempo o sr. acredita que Assange terá de esperar para obter uma resposta?

Isso não será um processo rápido ou simples. Existem consultas diplomáticas entre o Equador, a Grã-Bretanha e a Suécia. Portanto, é difícil dizer quanto tempo ele terá de ficar na embaixada. Pode levar um tempo ainda para que as coisas sejam esclarecidas.

Foi considerado um pedido de asilo ao Brasil?

Desconheço que ele tenha feito essa consideração. A verdade é que Assange se sente muito bem com o apoio que tem na América Latina. Trata-se de uma região que compartilha seus valores.

Se obter o asilo no Equador, Assange pretende transferir toda a operação do WikiLeaks para a região?

Ele nunca deixou de trabalhar. Nem quando esteve em prisão domiciliar nem agora. Obviamente, na América Latina, vai continuar com seu trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.