Hackers dizem ter invadido Otan e obtido dados secretos

O grupo de hackers Anonymous alegou hoje ter conseguido invadir os servidores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e obtido acesso a "uma grande quantidade de material secreto" da aliança militar. Apesar de julgar um ato "irresponsável" a publicação dessas informações, o grupo alegou ter conseguido cerca de um gigabyte de dados e publicou em seu perfil do Twitter (@anonymousirc) um documento no qual se pode ler "Restrito à Otan", com a data de 27 de agosto de 2007.

AE, Agência Estado

21 de julho de 2011 | 18h07

No Twitter, o Anonymous ainda provocou a aliança. "Olá, Otan. Sim, temos mais da sua deliciosa informação", publicou, acrescentando que os dados poderiam circular na internet nos próximos dias. "Sim, invadimos a Otan. E temos muito material restrito", gabam-se os hackers em outra mensagem.

Um funcionário da aliança, falando sob condição de anonimato, disse que os chefes do órgão estão a par da situação. "Especialistas de segurança da Otan estão investigando essas afirmações" de que há dados confidenciais circulando na internet. "Condenamos energicamente qualquer vazamento de documentos secretos, que podem colocar em perigo todos os aliados da Otan, suas forças armadas e cidadãos", disse. Os hackers tiraram sarro das declarações do funcionário no Twitter.

O Anonymous é um grupo de hackers simpatizantes do site de vazamentos WikiLeaks. Eles foram responsáveis pela invasão às páginas da Visa, da MasterCard e do serviço de pagamentos PayPal quando estes bloquearam as contas do WikiLeaks e impediram o site e seu fundador, Julian Assange, de receber doações.

Na terça-feira, as autoridades norte-americanas anunciaram a prisão de 14 pessoas ligadas aos ataques contra o PayPal em dezembro. Mais dois norte-americanos, quatro holandeses e um britânico também foram detidos por suspeita de envolvimento em outros casos de pirataria na internet. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Otanhackersinvasãodados secretos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.