Hackers tentaram obter dados de Seul e EUA, diz polícia

Os hackers que atacaram redes nos Estados Unidos e na Coreia do Sul, na semana passada, extraíram listas de arquivos das máquinas contaminadas pelo vírus, informou hoje a polícia sul-coreana. De acordo com An Chan-soo, um oficial do alto escalão da polícia envolvido na investigação, os hackers conseguiram obter apenas listas de arquivos, e não os arquivos em si. Os ataques, nos quais computadores foram induzidos a se conectar simultaneamente a uma determinada página para sobrecarregar o servidor, tiraram do ar durante dias importantes páginas governamentais dos dois países na internet.

AE-AP, Agencia Estado

14 de julho de 2009 | 11h03

A descoberta dos policiais sul-coreanos não quer dizer necessariamente que alguma informação tenha sido roubada dos sites atacados, entre os quais estavam o da Casa Branca e o da Casa Azul, sedes dos governos norte-americano e sul-coreano, respectivamente. Também não houve conclusões sobre as suspeitas de que a Coreia do Norte estaria de alguma forma envolvida nos ataques cibernéticos, prosseguiu a polícia sul-coreana.

No entanto, a descoberta mostra que os hackers não apenas utilizaram os computadores para derrubar os sites, como tentaram roubar informações ali gravadas. Além disso, as máquinas contaminadas pelo vírus receberam instruções para danificar seus próprios discos rígidos e arquivos depois do ataque.

A polícia chegou a suas conclusões depois de analisar um vírus de computador encontrado em cerca de duas dezenas de computadores atacados e apreendidos para avaliação, disse An Chan-soo. As listas foram enviadas a 416 computadores em 59 países, 15 deles na Coreia do Sul. Os investigadores ainda precisam identificar os responsáveis e determinar de onde partiu o ataque.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do SulSeulhackersciberataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.