Mark Wilson/Reuters
Mark Wilson/Reuters

Hagel diz que poderio militar dos EUA não é solução para o Iraque

Aviões militares norte-americanos têm atacado o Estado Islâmico em áreas do norte e oeste do Iraque deste agosto

Estadão Conteúdo

10 de dezembro de 2014 | 09h53

O primeiro secretário de Defesa norte-americano a visitar o Iraque desde que os Estados Unidos encerraram oficialmente sua longa guerra no país, três anos atrás, deixou uma mensagem simples para os líderes do país: o poder de fogo de Washington não resolveu os problemas do Iraque da última vez, nem fará isso agora

"Como os líderes e o povo iraquiano sabem, apenas eles podem trazer a paz duradoura para seu país se estiverem decididos a fazer isso", declarou Chuck Hagel Hagel aos jornalistas, após reunir-se com o primeiro-ministro Haider al-Abadi e outros importantes autoridades iraquianas nesta terça-feira.

Hagel garantiu que Washington está comprometido em ajudar o Irã a retomar territórios perdidos para os combatentes do Estado Islâmico neste ano. Ele também enfatizou a importância da construção de uma coalizão internacional duradoura para combater o grupo extremista, mas afirmou que nenhuma quantidade de ajuda externa pode substituir a vontade iraquiana.

O secretário de Defesa reconheceu que al-Abadi pediu a ele que os Estados Unidos enviem mais poder aéreo e armamentos. "Precisamos disso", disse o premiê a Hagel, como pôde ser ouvido no início da reunião, no escritório de al-Abadi. Mais tarde, ao ser perguntado pelos jornalistas como respondeu, Hagel recusou-se incisivamente a dizer se havia concordado em o primeiro-ministro.

Aviões militares norte-americanos têm atacado o Estado Islâmico em áreas do norte e oeste do Iraque deste agosto. Nos próximos meses, o Pentágono esperar aumentar o uso do poder aéreo em conjunto com equipes iraquianas de contraofensiva em solo para retomar territórios.

Mas as declarações de Hagel pareceram ter como alvo encorajar a ideia de que o principal foco do Iraque deve ser o fortalecimento de suas próprias forças em fez de apelar a Washington por uma solução rápida por meio do poderio de fogo norte-americano.

Hagel é o primeiro chefe do Pentágono a visitar o Iraque desde que Leon Panetta participou de uma cerimônia em Bagdá em dezembro de 2011, que marcou o fim da participação dos Estados Unidos na guerra e a retirada das tropas norte-americanas do país, mais de oito anos depois da invasão para a derrubada do presidente Saddam Hussein. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IraqueHagelEUApoderio militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.