Hagel pede fim de ataques sexuais de militares

Os jovens das Forças Armadas dos EUA precisam assumir a responsabilidade de ajudar a eliminar o flagelo dos ataques sexuais e dos suicídios à medida que o exército volta para casa depois de mais de uma década de guerra, afirmou o secretário de Defesa, Chuck Hagel. O exército norte-americano vem enfrentando dificuldade para conter o crescente número de ataques sexuais e membros do Congresso do país estão apresentando propostas para reformar o sistema de justiça militar.

Agência Estado

25 Maio 2013 | 16h37

Neste sábado, 25, Hagel viajou para West Point, Nova York, para fazer um discurso para a Academia Militar dos EUA. Autoridades militares anunciaram na última semana que acusaram formalmente um soldado local ligado à gravação secreta de um vídeo de uma cadete feminina tomando banho e em outros lugares - um incidente que jogou luz sobre a questão.

Em seu discurso, Hagel não fez referência direta a essa investigação, mas afirmou aos cadetes que a nova geração de líderes militares não precisa apenas lidar com isso, mas colocar um freio nos casos de ataques, assédio, abuso de drogas e suicídio. "Os ataques sexuais e assédios no exército são uma traição profunda aos juramentos", disse Hagel. "Esse flagelo precisa ser erradicado."

Todos do Departamento de Defesa precisam se sentir responsáveis pelo combate a essas ameaças. "Não podemos fracassar com o Exército da América", declarou Hagel no discurso. Na sexta-feira, o presidente Barack Obama transmitiu uma mensagem similar para graduandos da Academia Naval dos EUA. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUAmilitaresHagel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.