Haider ''foi o homem da minha vida'', diz sucessor

Petzner é afastado da liderança de partido austríaco de extrema direita após revelar relacionamento ?além da amizade? com líder morto em acidente

The Guardian, Viena, O Estadao de S.Paulo

24 de outubro de 2008 | 00h00

O sucessor de Joerg Haider na liderança do partido de extrema direita Aliança para o Futuro da Áustria (BZO), Stefan Petzner, foi afastado ontem do cargo após chocar o país com a revelação de que ele e Haider tiveram um "relacionamento especial". "Tivemos um relacionamento que foi bem além da amizade, éramos conectados por algo verdadeiramente especial. Joerg foi o homem da minha vida", afirmou emocionado em entrevista a uma rádio local. Casado e pai de duas filhas, Haider morreu aos 58 anos em um acidente de carro há duas semanas. Ele dirigia embriagado e acima do limite de velocidade. Haider, que se apresentava como um homem de família que bebia moderadamente, ascendeu politicamente nos anos 80 e 90 com um discurso conservador e antiimigrantes. Ele votou contra uma moção parlamentar para abaixar a idade permitida para a prática do homossexualismo consentido no país.Nas eleições gerais de setembro, o partido de Haider conseguiu 11% dos votos, uma ótima marca para a legenda.Há algum tempo havia rumores na Áustria de que Haider e Petzner, de 27 anos, eram amantes. Os dois se conheceram havia cinco anos, na época em que Petzner trabalhava como jornalista especializado em tratamentos cosméticos. Petzner foi conduzido à liderança do BZO há uma semana para atender a vontade de Haider, que disse diversas vezes que gostaria que seu jovem protegido fosse seu sucessor na política. Jornais austríacos especulam que, na noite do acidente, Haider teria brigado com Petzner e, então, ido a um bar gay de Klagenfurt, capital do Estado do qual Haider era governador. No bar, Haider teria bebido bastante vodca junto a garotos de programa. Ele morreu ao sair dirigindo do local. O porta-voz do partido BZO afirmou que Haider e Petzner eram "bons amigos, não amantes", mas a legenda preferiu afastar Petzner da liderança por causa da grande repercussão do caso. Josef Buchner foi conduzido ao cargo e Petzner ficou com o posto de vice. O partido também tentou interromper a repetição da entrevista, mas a rádio se recusou a ceder. Petzner disse que sentiu uma "atração magnética" quando conheceu o experiente político, 31 anos mais velho que ele, e que agora está sozinho. "Ele era tudo o que eu tinha." Segundo Petzner, a maior preocupação de Haider era que o relacionamento não resistisse à diferença de idade. Petzner afirmou também que Claudia, mulher de Haider havia 32 anos, não fazia objeções ao relacionamento deles. A família de Haider não comentou a entrevista.Mas em declaração a uma revista feminina, a irmã de Petzner sugeriu o contrário. "Claudia às vezes ficava com ciúmes porque meu irmão passava mais tempo com Haider do que ela", afirmou Christiane.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.