Haiti: além de diplomata, localizado corpo de chefe da ONU

Além do corpo do representante-adjunto das Nações Unidas no Haiti, o diplomata brasileiro Luiz Carlos da Costa, as equipes de resgate também localizaram ontem os restos da principal autoridade da ONU no Haiti, o tunisiano Hedi Annabi, e do canadense Doug Coates, chefe da força policial internacional no Haiti, nos escombros da sede da ONU, que funcionava no Hotel Christopher, informaram fontes militares em Porto Príncipe.

AE, Agencia Estado

17 de janeiro de 2010 | 07h48

Logo após o anúncio do resgate dos corpos, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, emitiu uma nota oficial confirmando as mortes. O diplomata brasileiro estava com os documentos na roupa. O corpo seria levado para o Hospital Argentino.

Costa estava desaparecido desde o terremoto de terça-feira, quando a sede da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah) em Porto Príncipe desabou após o terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o país.

O brasileiro foi designado representante especial adjunto na ONU no Haiti em novembro de 2006, depois de missões na reconstrução de países como Libéria e Camboja. Entre suas atribuições está a integração entre as forças civis, militares e policiais.

Ele começou a trabalhar na sede da ONU em 1969, como mensageiro. Tornou-se um dos mais importantes funcionários das Nações Unidas, onde conheceu e tornou-se amigo do alto comissário Sérgio Vieira de Mello, morto em agosto de 2003, durante atentado terrorista no Iraque.

"Não temos a menor dúvida de que este é o pior golpe sofrido pela ONU em todos os tempos", disse o italiano Giancarlo Summa, diretor do Centro de Informações das Nações Unidas no Brasil. "À medida que o tempo passa, as chances de encontrar sobreviventes vão se reduzindo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.