Haiti começa a controlar epidemia de cólera

Campanhas de conscientização da população ajudam a diminuir mortes pela doença que assolou a ilha após terremoto e estação das chuvas

Roberto Simon, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2011 | 00h00

Médico da clínica contra cólera da ONG brasileira Viva Rio em Porto Príncipe, Jacques Renard fala baixo o que autoridades no Haiti ainda hesitam em confirmar oficialmente: a epidemia da doença, cuja cifra de mortos em breve atingirá a casa dos 4 mil, está praticamente controlada.

Atrás dele, duas jovens com sintomas de diarreia e fraqueza aguardam, isoladas, atendimento. Elas são moradoras de Bel Air, bairro miserável do centro de Porto Príncipe que veio abaixo com o terremoto, e foram à clínica improvisada pouco após apresentarem os primeiros sintomas da cólera.

Assustadas, esperam sentadas em um banco de madeira tratamento contra desidratação. Mais de 180 mil haitianos contraíram a bactéria, que teria sido introduzida no país cerca de três meses após o terremoto.

"Algumas semanas atrás, cuidávamos de dezenas de pacientes", afirma Renard, formado há três anos em Cuba. "Neste momento, são só elas duas."

A situação na ONG não parece ser uma exceção. Em novembro, o posto emergencial de combate à cólera de Waf Jeremie, uma das partes mais pobres da favela de Cité Soleil, registrou 280 casos de contaminação, em dezembro, o número caiu para 100.

No Hospital da Universidade do Estado do Haiti, principal centro médico do país (mais informações nesta página), onde são tratados os casos mais graves de cólera, o número de pacientes também caiu significativamente. Segundo o diretor do hospital, Alix Lasseque, em 10 de novembro, o número de pacientes era de 74, enquanto hoje é de 9.

No entanto, os dois médicos haitianos alertam que o fato de a epidemia estar praticamente controlada não significa o imediato fim da cólera no Haiti. A tendência, afirmam, é que o número de infectados diminua. Mas, sem condições básicas de saneamento e higiene, dificilmente a doença será erradicada no curto ou médio prazos.

Cautela. A Organização Mundial de Saúde (OMS) mantém cautela diante da redução no número de mortes. Fadela Chaib, porta-voz da OMS, afirma que o pico da epidemia só estará superado quando a taxa de mortalidade da doença atingir o patamar de 1% - atualmente está em 2,2%.

Especialistas atribuem a redução gradual no número de mortos pela cólera à grande campanha de conscientização montada no Haiti. De início, haitianos que contraíam a bactéria - sobretudo os mais pobres - recusavam-se a ir aos centros de tratamento, onde as vítimas do terremoto haviam sido tratadas. "Eles temiam hospitais, associavam esses lugares à morte", explica Lasseque.

Hoje é impossível andar nas ruas de Porto Príncipe sem se deparar com outdoors, cartazes e até mesmo grafites sobre medidas profiláticas contra a enfermidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.