Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
REUTERS/Ricardo Arduengo
REUTERS/Ricardo Arduengo

Haiti enfrenta disputa de poder entre premiês

Homem que tinha sido nomeado primeiro-ministro antes do assassinato do presidente afirma que ele é a autoridade legal, não o premiê interino

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2021 | 18h39

PORTO PRÍNCIPE - Uma disputa por poder está ganhando força no Haiti porque o homem nomeado primeiro-ministro dois dias antes do assassinato do presidente Jovenel Moise disse que ele – e não o premiê interino Claude Joseph – deveria liderar a nação.

Ariel Henry, um neurocirurgião de 71 anos, que foi nomeado primeiro-ministro por Moise na segunda-feira, afirmou: “Após o assassinato do presidente, eu me tornei a maior autoridade legal porque houve um decreto me nomeando”, afirmou Henry.

Henry ainda não havia tomado posse para substituir Joseph no momento do assassinato, o que criou confusão sobre quem é o legítimo líder de 11 milhões de pessoas no Haiti, que divide a ilha de Hispaniola com a República Dominicana.

O ministro eleitoral Mathias Pierre afirmou que Joseph continuará no cargo até a realização de novas eleições presidenciais e legislativas em 26 de setembro. Mas Henry afirmou que está formando um governo e ele criará um novo conselho eleitoral, pois o atual é considerado muito partidário, e esse conselho determinará uma nova data para as eleições.

A Constituição de 1987 do Haiti estipula que o líder da Suprema Corte deve assumir como presidente interino, mas emendas que não são reconhecidas por todos dizem que seria o primeiro-ministro ou, no último ano do mandato do presidente – como no caso de Moise – o Parlamento deveria eleger um presidente.

Para complicar ainda mais a situação política no país, o líder da Suprema Corte morreu mês passado de covid-19, em meio a um surto em um dos poucos países do mundo que ainda não começou uma campanha de vacinação. Também não há um Parlamento eleito, pois as eleições legislativas marcadas para o fim de 2019 foram adiadas por distúrbios políticos.

Pouco depois do ataque, o primeiro-ministro interino Joseph declarou estado de sítio por quinze dias, concedendo ao Executivo maiores poderes.

Enquanto a oposição acusa Joseph de tomar o poder, a enviada da ONU ao Haiti, Helen La Lime, considerou que ele é a autoridade legítima, já que Henry não chegou a prestar juramento.

 

Proteção.

Envolto em um clima de instabilidade, o Haiti pediu na sexta-feira aos EUA e à ONU o envio de tropas para proteger pontos estratégicos, como portos e aeroportos. As autoridades temem um possível ataque, para provocar o caos, dos seis mercenários envolvidos no assassinato do presidente que ainda estão foragidos. O Haiti tenta determinar quem ordenou o assassinato, supostamente executado por um esquadrão formado por 26 colombianos e 2 americanos de origem haitiana

O Departamento de Estado e o Pentágono confirmaram ter recebido um pedido de "assistência de segurança e investigação" e disseram que estavam em contato com Porto Príncipe, mas não especificaram se tropas militares seriam enviadas.

Uma fonte diplomática da ONU disse ter recebido o pedido, mas uma resolução do Conselho de Segurança é necessária para enviar um contingente.

Washington já disse que enviará o FBI (polícia federal) e outros agentes ao Haiti o mais rápido possível, onde o assassinato de Moise deixou um vácuo de poder na conturbada e empobrecida nação caribenha. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.