Haiti registra epidemia de cólera com mais de 140 mortes confirmadas

Governo diz já tomar medidas para evitar mais contaminações; há mais de 1.500 casos

Reuters

22 de outubro de 2010 | 11h00

Crianças haitianas recebem tratamento em hospital improvisado em Porto Príncipe.

 

PORTO PRÍNCIPE - O presidente do Haiti, René Préval, confirmou nesta sexta-feira, 22, que o país é assolado por uma epidemia de cólera que já matou ao menos 142 pessoas. O governante ainda disse que o governo já está tomando providências para combater a epidemia, a primeira da doença que ocorre no Haiti em um século, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

"Posso confirmar que é cólera", disse o presidente. "Estamos tomando medidas para ter certeza de que as pessoas estejam totalmente a par das precauções que devem tomar para prevenir a contaminação", disse Préval.

 

As autoridades médicas haitianas aguaram os resultados de testes de laboratórios para determinar a causa da epidemia repentina em algumas regiões da capital Porto Príncipe.

 

Foram registrados mais de 1.500 casos da doença desde a quinta-feira e os hospitais locais ficaram lotados com pacientes que sofriam de diarreia e desidratação. Alguns pacientes morriam menos de um dias após serem infectados.

Equipes médicas internacionais têm ajudado o país desde 12 de janeiro, quando um terremoto de magnitude 7 devastou o país e acabou com a já deteriorada estrutura de saúde pública do país caribenho.

As autoridades de saúde planejam colocar um fim à epidemia antes que ela se espalhe aos campos de desabrigados em Porto Príncipe. O terremoto deixou 1,5 milhão de pessoas vivendo em barracas em vários pontos da cidade. Aproximadamente 300 mil pessoas morreram no desastre.

 

Atualizado às 18h04

Tudo o que sabemos sobre:
Haitiepidemiacólera

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.