Haitianos tentam retomar rotina depois da tempestade

Uma semana depois de ter sido arrasada pela tempestade tropical Jeanne, a cidade haitiana de Gonaives tenta voltar a seu ritmo normal. Mas não está fácil: moradores ainda encontram água e lama por todo lado, não há energia elétrica para a maioria dos 250 mil habitantes e a população só tem comida graças à ajuda da comunidade internacional. As redes de água potável e esgoto, estão completamente fora de serviço. O último balanço divulgado pelo escritório de Proteção Civil elevou as estimativas de mortos para 1316, pelo menos, em todo o país, enquanto 1.097 pessoas continuam desaparecidas e outras 3 mil estão feridas - 90% desses números envolvem habitantes de Gonaives.Além do número de vítimas que não pára de aumentar, a ministra Josette Bijoux alerta para as doenças a que os moradores estão sujeitos por causa da falta de saneamento - como diarréia, tífano e tétano -, já que crianças têm brincado em meio a água parada, a mesma usada pelas donas-de-casa para se higienizar e lavar a roupa.Assim, a ministra afirmou que pedirá que 200 médicos e enfermeiros da capital haitiana, Porto Príncipe, dirijam-se para Gonaives, a fim de informar os moradores locais sobre os riscos de uma epidemia, além de ajudar outras equipes que já estão na cidade. "Mas a água dos poços artesianos está clara e, uma vez desinfectada, poderá ser distribuída em caminhões-cisterna", informou Bijoux.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.