Hamás aceita Estado palestino nos moldes anteriores a 1967

O chefe do escritório político do Hamás, Jaled Mishal, manifestou que seu movimento está disposto a aceitar a criação de um Estado palestino "nas fronteiras anteriores a junho de 1967", mas também advertiu que não pensa em reconhecer Israel.Em uma conferência de imprensa em Damasco, Mishal disse: "não nos opomos à criação de um Estado palestino nas fronteiras anteriores ao dia 5 de junho de 1967", data em que Israel ocupou Gaza, Cisjordânia e o leste de Jerusalém.Entretanto, afirmou que "Hamas não reconhecerá a Israel e não renunciará à resistência". "Temos que guardar algumas cartas. Já temos visto o que tem acontecido aos que aceitaram o reconhecimento como precondição para negociar: não conseguiram nada", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.