Hamas dá demonstração de força ao celebrar 25 anos na Faixa de Gaza

Movimento reitera necessidade de resistência armada contra Israel e prega união palestina.

Yollande Knell, BBC

09 de dezembro de 2012 | 13h00

Diante de um verdadeiro "mar verde", a cor simbólica dos palestinos, e ao lado de um modelo enorme do mesmo míssil lançado contra Tel Aviv e Jerusalém, lideranças do Hamas deram uma importante demonstração de força no dia em que o movimento islâmico completou 25 anos.

O líder político do grupo, Khaled Meshaal, retornou de mais de 40 anos de exílio e fez sua primeira aparição em frente a milhares de palestinos em décadas, acompanhado do primeiro-ministro do movimento, Ismail Haniyeh.

Dezenas de milhares de pessoas se reuniram na praça Kattiba entoando hinos nacionalistas e vestidas de verde da cabeça aos pés. Muitas crianças também vestiam uniformes militantes e carregavam armas de brinquedo.

Fortalecido após o último grande combate com Israel, o movimento aproveitou a celebração do seu primeiro quarto de século para reiterar os objetivos que levaram a'sua fundação, entre eles a rejeição ao Estado israelense.

Diante do modelo do míssil, com a inscrição "Made in Gaza", Khaled Meshaal deixou claro que a luta contra o vizinho ao norte continua.

"Nós não vamos desistir de nenhum centímetro da Palestina. Continuará sendo uma terra islâmica e árabe para nós e para mais ninguém. A jihad [guerra santa] e a resistência armada são o único caminho", alertou em frente à multidão.

Ele disse que continuaria pressionando pela libertação dos palestinos presos em cadeias israelenses e mencionou a troca de prisioneiros realizada no ano passado, quando um soldado de Israel foi trocado por mais de mil palestinos.

União palestina

Também houve referências à necessidade de mais união entre os palestinos.

A Faixa de Gaza é governada pelo Hamas desde 2007, e a Cisjordânia, governada pelo Fatah, é sede da ANP (Autoridade Nacional Palestina) e da OLP (Organização pela Libertação da Palestina).

Os dois grupos vêm mantendo uma relação conturbada nos últimos cinco anos e esta é a primeira vez desde então que membros do Fatah comparecem a um evento do Hamas.

"Após a vitória de Gaza, é chegada a hora de encerrar este capítulo de divisão e construir a unidade palestina. A reconciliação significa uma plataforma política unificada, uma autoridade, um presidente e um Parlamento", disse.

Há um consenso generalizado de que os esforços para encerrar a ocupação israelense dos territórios palestinos são minados por essas divisões políticas internas. Entretanto, o tom do discurso de Meshaal trouxe à tona outro fator que pode ser um obstáculo à união palestina.

Caso ele insista na importância da resistência armada, Mahmoud Abbas, o presidente moderado da ANP, considerado um interlocutor para a paz por Israel e pelas potências ocidentais, não poderá aceitar o estreitamento das relações.

O Hamas é visto oficialmente pelos israelenses e americanos como um grupo terrorista, enquanto Abbas e seu governo na Cisjordânia são enxergados como aptos a dialogar pela paz na região.

Divisões entre o próprio Hamas não foram tema do pronunciamento. Sabe-se que Meshaal já manifestou a intenção de deixar seu posto de liderança e a viagem à Gaza pode ser uma oportunidade de concluir o processo de transição.

O evento também deixou claro o apoio ao grupo na região.

Delegações do Catar, Bahrein, Turquia e Malásia, além do Egito, foram enviadas à comemoração, algo possível graças à passagem de Rafah, entre o Egito e a Faixa de Gaza, aberta pelo governo egípcio para o evento.

Israel, que mantém conversações indiretas com o Hamas desde o último confronto, encerrado pelo Egito com a mediação de um cessar-fogo, deve receber as notícias do evento com preocupação. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.