Hamas e Fatah chegam a acordo de reconciliação

Plano prevê governo interino e data para eleições palestinas.

BBC Brasil, BBC

27 de abril de 2011 | 15h48

As duas principais facções palestinas, o Fatah e o Hamas, concordaram em linhas gerais com um plano de reconciliação, disseram nesta quarta-feira representantes dos dois grupos reunidos na capital do Egito, Cairo.

Segundo o acordo, será formado um governo interino e fixada uma data para eleições palestinas.

"Hamas e Fatah concordam em princípio com um acordo de reconciliação", disse à BBC Tahir Al-Nounou, porta-voz do Hamas.

Nounou disse que as principais divergências dos dois grupos foram superadas e os líderes do Hamas, Khalid Meshaal, e do Fatah, Mahmoud Abbas, devem assinar o acordo em outra reunião no Cairo em uma semana.

Dúvidas

Milhares de palestinos protestaram no começo do mês pedindo a reconciliação em manifestações inspiradas nos levantes populares que vêm ocorrendo em diversos pontos do Oriente Médio.

A cisão ocorreu um ano após o Hamas vencer o Fatah nas eleições parlamentares palestinas de 2006. EUA e União Europeia suspenderam a ajuda aos palestinos, alegando, entre outros argumentos, que o Hamas não reconhece Israel.

Para obter reconhecimento internacional, o Hamas concordou com a formação de um governo de unidade nacional com o Fatah em 2007, mas as rixas entre os grupos não foram superadas.

Os grupos romperam em junho de 2007, quando o Hamas passou a controlar a Faixa de Gaza e o Fatah, a Cisjordânia.

O repórter da BBC no Cairo Jonathan Head disse que, se o acordo for de fato em frente, remove uma barreira significativa para a campanha palestina por um Estado independente.

Mas, de acordo com o correspondente, há vários pontos a ser resolvidos antes disso acontecer. Falta esclarecer, por exemplo, se doadores internacionais vão reconhecer o Hamas; como Gaza e a Cisjordânia, separadas fisicamente por Israel, vão ser governadas, e como será administrada a segurança dos territórios palestinos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.