Hamas entrega vídeo e Israel liberta prisioneiras

Os militantes do Hamas entregaram hoje um vídeo de dois minutos mostrando Gilad Schalit, soldado israelense capturado três anos atrás. Em troca, Israel libertou 19 palestinas que eram mantidas em prisões do país. Foi o primeiro sinal prático recente capaz de reduzir as hostilidades entre os dois lados.

AE-AP, Agencia Estado

02 de outubro de 2009 | 10h56

Um funcionário israelense disse que no vídeo o soldado de 23 anos, capturado por militantes ligados ao Hamas em junho de 2006, parecia saudável e lúcido ao falar. A fonte não deu mais detalhes e pediu anonimato. Foi a primeira prova de vida de Schalit em vídeo desde sua captura. Até hoje, os únicos sinais de vida tinham sido três cartas e um áudio. A mídia israelense, citando funcionários que viram o vídeo, afirma que Schalit segurava um jornal datado de 14 de setembro, provando que a gravação era recente.

O primeiro-ministro do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, elogiou o acordo como um "triunfo" para a resistência armada dos palestinos contra Israel. A recepção para as detentas palestinas foi festiva e elas foram cumprimentadas pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Outra prisioneira será solta em Gaza no domingo, elevando para 20 o número de libertadas na troca. As mulheres estavam detidas por crimes menores e suas penas estavam no fim.

No entanto, o impasse em torno da libertação de Schalit continua. O Hamas exige a soltura de centenas de prisioneiros palestinos em troca do soldado, capturado em uma sangrenta incursão dos militantes pelo território israelense.

Bloqueio

O acordo desta sexta-feira também pode facilitar o fim do bloqueio israelense na Faixa de Gaza. Israel impôs o bloqueio após o Hamas tomar o poder em Gaza há dois anos, expulsando as forças leais a Abbas. Israel rejeita encerrar as restrições antes da libertação do soldado.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasIsraelvídeoprisioneiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.