Hamas enviará comissão para discutir cessar-fogo egípcio

Delegação islâmica irá ao Cairo pedir esclarecimentos sobre os três pontos do plano proposto na terça-feira

Agências internacionais,

09 de janeiro de 2009 | 14h48

O Hamas vai enviar uma delegação, incluindo representantes de Gaza, para o Cairo no sábado, 10, para discutir uma proposta do Egito para um cessar-fogo, disse um membro sênior do grupo islâmico para a agência France Presse. Mussa Abu Marzuk, vice-chefe do Hamas, disse que a delegação vai pedir esclarecimentos dos três pontos do plano do presidente do Egito, Hosni Mubarak, anunciado na terça-feira. "Existem muitas questões e existe uma necessidade de esclarecimentos", disse Abu Marzouk, que fica em Damasco, na Síria.   Veja também: Israel diz que 'órgão externo' não decide sua segurança ONU afirma que 257 crianças palestinas morreram em Gaza Brasil despacha ajuda; Amorim visitará Oriente Médio  'Crianças crescem em bunkers', diz brasileiro em Israel Embaixador brasileiro no Egito fala da negociação entre Hamas e Egito  Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques        Na quarta-feira, após a apresentação do plano pelo Egito juntamente com a França, o governo israelense disse que concordava "em princípio" com o texto. Um porta-voz do governo israelense, Mark Regev, afirmou que agora o desafio é encontrar maneiras de tornar o plano realidade. Na ocasião, um representante do Hamas também afirmou que havia "sinais muito positivos" para um possível cessar-fogo. Os três pontos do plano pedem um cessar-fogo para permitir ajuda humanitária na Faixa de Gaza, reuniões urgentes com representantes palestinos e israelenses e a retomada das negociações de reconciliação palestina. Abu Marzuk disse que o Hamas ainda não escolheu seus representantes da Faixa de Gaza. Uma delegação do Hamas da Síria se reuniu com o chefe de inteligência do Egito, Omar Sulaiman, na terça-feira, mas o encontro de sábado será o primeiro com participação de representantes da Faixa de Gaza desde que Israel iniciou sua ofensiva militar sobre o território há duas semanas. Abu Marzuq também rejeitou endossar uma resolução de cessar-fogo emitida pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) na quinta, alegando que o Hamas não tinha sido consultado. "O Hamas não comenta a resolução porque não foi consultado para aceitá-la ou rejeitá-la", disse. O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, também rejeitou o documento, dizendo que a resolução é "impraticável."   Entenda o plano egípcio   Os três pontos-chaves do acordo são:   - Israel e as facções palestinas devem aceitar um cessar-fogo imediato por um período limitado, o que permitiria a passagem com segurança de ajuda humanitária para Gaza e daria ao Egito tempo para continuar seus esforços para uma ampla e duradoura trégua.   - O Egito convidaria tanto Israel quanto o lado palestino para um encontro urgente a fim de obter arranjos e garantias que assegurem que a atual escalada não volte a ocorrer e lidar com as causas, incluindo a proteção de fronteiras, reabrindo os pontos de travessia e levantando o bloqueio imposto por Israel.   - O Egito convidaria novamente a Autoridade Palestina e todas as facções palestinas para responder aos esforços egípcios para obter uma reconciliação nacional.    

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.