Hamas indica começo de reconciliação com o Fatah

O líder exilado do Hamas, Khaled Mashaal, disse hoje que o grupo militante concordou, em princípio, com uma proposta para a reconciliação com seus rivais do movimento Fatah, num acordo que poderia abrir caminho para novas eleições presidenciais e parlamentares. "Nós superamos todas as discordâncias no documento egípcio", disse Mashaal, que vive em Damasco, na Síria. Ele disse que o documento proposto pelo Egito, mediador da questão, "pode pavimentar o caminho para chegarmos à reconciliação palestina e nós respondemos ao seu espírito".

AE-AP, Agencia Estado

28 de setembro de 2009 | 21h16

O Hamas, que governa a Faixa de Gaza, e o Fatah, que lidera um governo separado na Cisjordânia, estão divididos desde a ocorrência de uma guerra civil dois anos atrás. Unir os dois lados e devolver algum controle do Fatah sobre a Faixa de Gaza pode abrir o território para doadores internacionais que se afastaram por causa do governo do Hamas.

O Egito tenta há meses estabelecer o acordo, primeiramente propondo a formação de um governo de unidade. O Hamas, porém, recusou fazer parte de qualquer governo palestino que envolva o reconhecimento de Israel.

A proposta do Egito é juntar os dois rivais num comitê consultivo que teria poder de decisão nos assuntos diários de Gaza e da Cisjordânia até que eleições presidenciais e parlamentares possam ser realizadas no primeiro semestre de 2010.

O comitê seria liderado pelo líder do Fatah, Mahmoud Abbas, que também é presidente do governo da Cisjordânia. O governo de Abbas também teria permissão para enviar 3 mil integrantes das forças de segurança para Gaza e os dois lados libertariam detentos do grupo rival.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasFatahPalestinaEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.