Hamas irá anunciar Gabinete no começo de março

Líderes do Hamas afirmaram, nesta quarta-feira, que o grupo militante islâmico formará seu Gabinete no começo de março. O Parlamento, liderado pelo Hamas, se reunirá pela primeira vez desde a eleição de 25 de janeiro na qual o partido ganhou 72 das 132 cadeiras no próximo sábado. Há indícios de que o grupo irá esperar até as eleições do parlamento de Israel para formar seu Gabinete. O Hamas já nomeou seus candidatos para vários cargos parlamentares. O pregador de mesquita Ahmed Bahar foi eleito deputado e um líder do partido em Gaza, Mahmoud Zahar, foi nomeado líder da facção. O professor de geografia da Cisjordânia, Abdel Aziz Duaik, foi nomeado orador do parlamento. Além de sua autoridade parlamentar, ele poderá se tornar o presidente da Autoridade Palestina caso o líder atual, Mahmoud Abbas, morra. As nomeações de Duaik e Bahar assinalaram que o grupo dividirá responsabilidades entre a Cisjordânia e Gaza.Um membro da Fatah, partido de oposição, disse que o Hamas não precisa reconhecer Israel imediatamente como condição para a formação do governo, sinalizando que poderia usar o reconhecimento como uma moeda de barganha no futuro.Contudo, um assistente de segurança do primeiro-ministro Mahmoud Abbas, Jibril Rajoub, assinalou que a Fatah não se juntará ao governo liderado pelo Hamas se não houver reconhecimento de Israel e a renúncia de elementos muçulmanos fundamentalistas de seu programa político.Rajoub esteve no Cairo, na quarta-feira, em uma reunião com funcionários do governo do Egito que lançaram um esforço diplomático para tentar conter o efeito da vitória do Hamas nas eleições palestinas.O Hamas tentou convencer a Fatah a juntar-se em uma unidade governamental, idéia apoiada pelo Egito na esperança de formar um governo com o qual Israel poderia lidar. Mas a Fatah resistiu à participação afirmando que sua ideologia moderada é muito diferente da do Hamas. Eleições israelensesPesquisas mostram que Kadima, o partido de Ariel Sharon liderado pelo primeiro ministro Ehud Olmert, está ultrapassando adversários com sua plataforma de concessões territoriais aos palestinos. Mas, à medida que os membros do Hamas tomarem o poder, os partidos que defendem linha dura contra os palestinos, como o do ex-primeiro ministro Benjamin Netanyahu, podem ganhar terreno.Olmert afirmou que todos os contatos com os palestinos serão revistos uma vez que o Hamas formar o governo. "Nós não vamos negociar com uma autoridade palestina dominada total ou parcialmente por uma organização terrorista", disse ele em uma reunião com líderes judeus dos Estados Unidos, na terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.