Hamas ordena volta de milícia às ruas de Gaza

O governo liderado pelo Hamas ordenou neste sábado que um número menor de sua milícia voltasse às ruas da Cidade de Gaza, um dia depois de ter retirado o contingente de 3 mil homens para diminuir os embates com as forças leais ao presidente palestino, Mahmud Abbas.O porta-voz da milícia, Youssef Zahar, disse que a nova medida não contradiz a decisão anterior. O Hamas afirmou que, por enquanto, a milícia ficará em prontidão em locais específicos, voltando a realizar patrulhas pela região no futuro.O Hamas alegou que sua intenção não foi provocar os partidários de Abbas. A facção Fatah, no entanto, disse que o gesto poderia levar a uma nova onda de violência e atravancar negociações sobre o ultimato que Abbas fez aos militantes do Hamas para que aceitem um plano que implicitamente reconhece o Estado de Israel.A volta das forças do Hamas às ruas, mesmo em número menor, foi classificada como "inaceitável e ilegal" pelo porta-voz da Fatah, Tawfiq Abu Khoussa. "Sua ausência das ruas na sexta-feira trouxe grande alívio," disse Abu Khoussa. "E sua volta sinaliza a possibilidade de novos conflitos".Abu Khoussa acusou o Hamas ainda de tentar fazer "extorsão política" enquanto os dois lados negociam uma tentativa de acabar com o impasse. Além disso, centenas de militantes das Brigadas de Abu Rish, favoráveis à Fatah, aglomeraram-se diante do prédio do Parlamento para protestar contra a volta às ruas da milícia do Hamas. Representantes do Hamas, Fatah e outras facções palestinas menores discutiram neste sábado a formação de um comitê para estudar o plano de Abbas, que propõe a criação de um Estado palestino dentro das fronteiras de 1967.Abbas deu ao Hamas até semana que vem para aceitar a proposta ou submetê-la a um referendo nacional. O Hamas tem se mostrado dividido em relação ao plano, que implica reconhecer Israel e o fim do objetivo declarado do grupo de eliminar o Estado judeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.