Hamas pede à comunidade internacional o fim das operações de Israel

O governo da Autoridade Nacional Palestina(ANP) liderado pelo grupo islâmico Hamas, pediu nesta quarta-feira que acomunidade internacional e a ONU tomem medidas para colocar fim aosataques israelenses na Faixa de Gaza, que se intensificaram nasúltimas horas. "O governo palestino condena energicamente os crimes israelensesnos territórios palestinos e pede que a comunidade internacional e aONU coloquem fim às agressões israelenses e protejam os civis dasforças de ocupação", disse em comunicado o porta-voz do Executivo daANP, Ghazi Hamad. Na madrugada passada, o Exército israelense lançou uma grandeoperação no sul da Faixa de Gaza, e chegou a entrar 1,5 quilômetrodentro do território palestino. Forças de infantaria entraram nas proximidades do terminalfronteiriço de Rafah e fizeram buscas de túneis subterrâneos, com aajuda de um batalhão de rastreadores beduínos. Dois milicianos palestinos morreram em um dos confrontosiniciados pouco depois da incursão israelense na localidade deRafah. Entre eles, segundo fontes do braço armado do Hamas, está um dosmilitantes que participaram do seqüestro do soldado israelense GiladShalit, em 25 de junho. O jornal israelense Ha´aretz informa nesta quarta-feira que a incursão nasimediações de Rafah, concretamente na Rota Filadélfia, é a maior naFaixa de Gaza desde que Israel saiu desse território, em meados de2005. O jornal cita fontes militares, que disseram que a operação aolongo da fronteira entre Gaza e Egito tem por missão continuar abusca de túneis usados pelas milícias palestinas para introduzirarmas na Faixa de Gaza. Tanques israelenses estão posicionados nas imediações da passagemfronteiriça, disseram fontes palestinas, que acham que a novaincursão israelense tem por objetivo impedir que o ministro doInterior da ANP Said Siyam, do Hamas, volte à Faixa de Gaza. O primeiro-ministro da ANP, Ismail Haniyeh, expressou nesta quarta-feira suaesperança de que Siyam possa voltar à Faixa de Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.