Hamas pode assinar trégua nas próximas horas

Funcionários palestinos esperam que o Hamas concorde ainda hoje com um cessar-fogo com Israel, cujo anúncio seria feito no Cairo. Os israelenses disseram que não necessariamente aceitarão a trégua, já que o Hamas poderia aproveitá-la para reagrupar forças em preparação para futuros ataques.O Hamas se responsabilizou por dezenas de cruentos ataques terroristas em que morreram centenas de civis - tanto árabes como israelenses, com bombas e com disparos. O grupo até agora havia rejeitado qualquer negociação de paz e é considerado um grupo terrorista pelos EUA e a União Européia.Uma suspensão na violência é crucial para a implementação de um plano de paz apoiado pelos EUA, que têm como meta a criação de um Estado palestino até 2005. Na primeira etapa, os palestinos devem desmantelar os grupos considerados terroristas, ao passo que Israel deve retirar-se gradualmente para as posições que tinha antes do início da atual onda de violência, há 33 meses.Israel diz que só aceitaria uma trégua entre o primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas, e os grupos extremistas como prelúdio à repressão desses grupos.Abbas, porém, tem dito que não usará a força contra os militantes, por temor de com isso provocar uma guerra civil.A Organização para a Libertação da Palestina e s facção Al Fatah, do presidente da Autoridade Palestina (AP), Yasser Arafat, devem reunir-se nesta segunda-feira à noite para discutir o cessar-fogo com grupos palestinos e a saída de Israel da Faixa de Gaza.Funcionários israelenses e palestinos de Segurança realizaram uma reunião sobre a cessão do controle de setores ocupados por Israel à AP, informou a rádio pública do Estado israelense. O rascunho do acordo para a suspensão das hostilidades - que, segundo uma fonte palestina, teria sido enviado a Khaled Mashal, dirigente de alto nível do Hamas em Damasco -não especifica a duração da trégua, o que ficará a cargo dos mediadores egípcios, disse a fonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.